sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 30 mil camponeses manifestam-se na Colômbia

Mais de 30 mil camponeses protestaram hoje em diferentes regiões da Colômbia com barreiras em estradas e manifestações marcadas pela violência e confrontos com a polícia que resultaram em, pelo menos, três dezenas de feridos, segundo fontes oficiais.

© John Vizcaino / Reuters

Os manifestantes, mobilizados desde segunda-feira, reclamam medidas de apoio ao setor agrícola, muito afetado por mais de meio século de conflito armado, e denunciam os efeitos dos Tratados de Livre Comércio assinados pela Colômbia com os Estados Unidos e a Europa, que têm resultado no aumento das importações de alimentos pelo país, em detrimento da produção local.

As "concentrações, marchas e barreiras, permanentes ou ocasionais, afetam 45 municipalidades em 24 províncias", de entre as 32 com que conta a Colômbia, anunciou através de um comunicado citado pela agência France Presse, o Defensor do Povo, uma entidade pública colombiana responsável pela defesa dos direitos humanos.

No total, 14 barreiras de estradas mantinham-se a meio do dia nas regiões do oeste e centro-oeste do país, e outras 11 foram desmanteladas pela polícia. Os confrontos fizeram pelos menos 28 feridos, "21 civis e sete membros das forças de segurança", de acordo com a mesma fonte.

Várias barreiras feitas de pedras e troncos de árvore, impediam a circulação na Panamérica, uma estrada que atravessa o continente de norte a sul, constatou um fotógrafo da AFP.

Esta onda de protesto responde a um apelo da Cimeira Agrária, que reúne nomeadamente os movimentos indígenas, de trabalhadores agrícolas e de afro-descendentes, e denuncia o "desrespeito" do Governo do Presidente Juan Manuel Santos de acordos alcançados em resultado de mobilizações anteriores em 2013 e 2014 contra os Tratados de Livre Comércio (TLC).

Para além da concorrência dos produtos agrícolas de importação, os camponeses protestam também contra a pobreza e a dificuldade de acesso às terras cultiváveis, reclamando a participação nas conversações de paz que decorrem desde 2012 com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC, marxistas), a principal guerrilha do país.

O Governo qualificou a mobilização dos camponeses como "injusta" e apelou ao diálogo, através do ministro do Interior, Juan Fernando Cristo, que se deslocou hoje a La Maria, na província de Cauca (oeste), onde os manifestantes são particularmente numerosos.

Fresco na memória coletiva da Colômbia, o conflito armado resultante das insurreições campesinas nos anos 60 fez pelo menos 260 mil mortos, 45 mil desaparecidos e 6,8 milhões de deslocados.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57