sicnot

Perfil

Mundo

Oposição venezuelana fica hoje a saber se referendo contra Maduro avança

A oposição da Venezuela fica hoje a saber se as autoridades eleitorais do país aceitam ou não os 1,8 milhões de assinaturas recolhidas a favor de um referendo sobre o afastamento do presidente Nicolás Maduro.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Hoje, terá lugar uma reunião entre os representantes da Mesa para a Unidade Democrática (MUD), a coligação que tem maioria no parlamento venezuelano, e o Conselho Nacional Eleitoral do país sobre a validação ou não das assinaturas, com o país em suspenso e em risco de uma explosão social em caso de rejeição, escreveu hoje a agência France Presse.

De acordo com a agência, a Venezuela está "à beira da implosão" desde a vitória dos partidos anti-chavistas nas legislativas de dezembro, algo que aconteceu pela primeira vez em 17 anos. Nas ruas da Venezuela "multiplicam-se os linchamentos e as pilhagens", resultado de um país produtor de petróleo com a economia devastada e no qual falta de tudo.

A oposição venezuelana, num braço de ferro com o governo para forçar a renúncia de Nicolás Maduro, alertou na quarta-feira para o risco de uma explosão social se o referendo for adiado.

"A pressão social na Venezuela chegaria a níveis imprevisíveis", realçou o vice-presidente do parlamento Enrique Marquez

No entanto, a oposição tem o tempo contra ela. Os anti-chavistas exigem que a consulta se realize até 10 de janeiro de 2017, para que haja tempo de se convocar novas eleições. Caso contrário, Nicolás Maduro seria apenas substituído pelo seu vice-presidente.

Mesmo que as autoridades eleitorais, acusadas de estar a fazer o jogo do presidente ao atrasar o processo, validem hoje as 200 mil assinaturas necessárias (de um total de 1,8 milhões recolhidas pela oposição) esse será apenas o primeiro passo de um longo processo rumo ao referendo.

Em primeiro lugar, os primeiros signatários do pedido deverão confirmar em pessoa, e por impressão digital, a sua escolha.

O MUD deverá então reunir 20% do eleitorado venezuelano (quase quatro milhões de votos) para que o referendo se realize. Finalmente, para que Nicolás Maduro seja afastado da presidência, essa opção terá de obter mais votos do que este obteve nas eleições de 2013 (ou seja, cerca de 7,5 milhões de votos).

As sondagens indicam que sete em cada dez venezuelanos querem o afastamento do presidente Maduro.

Os partidários do governo de Nicolás Maduro acusam a oposição de incluir nas assinaturas pró-referendo mais de dez mil nomes de pessoas que já morreram.


Lusa

  • Os efeitos dos incêndios na natureza
    2:46

    País

    Cheias frequentes, erosão dos solos e contaminação dos rios e albufeiras são as previsões unânimes da comunidade científica para os próximos tempos, na sequência dos incêndios florestais. À SIC, o hidrobiólogo Adriano Bordalo Sá e o investigador de recursos florestais Rui Cortes alertam: é necessário começar a tratar da terra queimada o mais rapidamente possível.

  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta esta terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Os melhores do mundo pela FIFA da última década

    Desporto

    O português Cristiano Ronaldo e o argentino Lionel Messi têm repartido de forma igual os prémios de melhor jogador do mundo pela FIFA, na última década. Apesar destes dois nomes serem os mais falados, muitos outros jogadores foram nomeados para o prémio. Conheça a lista dos nomeados e dos vencedores desde 2007.

  • O preconceito em relação aos transexuais
    34:09
  • "Isto destrói famílias"
    0:46
  • Falta de gado ameaça produção do queijo da Serra da Estrela
    3:35

    País

    A devastação provocada pelos últimos incêndios foi um rude golpe na economia da região Centro do país. Algumas empresas já começaram os trabalhos de reconstrução, mas os produtores de gado temem não conseguir repôr os animais, deixando em risco a produção do queijo Serra da Estrela.

  • Eurodeputados homenageiam vítimas dos fogos
    1:38

    País

    A União Europeia vai doar os 50 mil euros do prémio Princesa das Astúrias às populações afetadas pelos incêndios em Portugal e Espanha. A Comissão Europeia continua a avaliar o pedido ao Fundo Europeu de Solidariedade, mas o pedido deverá ainda ser atualizado para incluir os prejuízos causados pelos incêndios da semana passada.