sicnot

Perfil

Mundo

Oposição venezuelana fica hoje a saber se referendo contra Maduro avança

A oposição da Venezuela fica hoje a saber se as autoridades eleitorais do país aceitam ou não os 1,8 milhões de assinaturas recolhidas a favor de um referendo sobre o afastamento do presidente Nicolás Maduro.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Hoje, terá lugar uma reunião entre os representantes da Mesa para a Unidade Democrática (MUD), a coligação que tem maioria no parlamento venezuelano, e o Conselho Nacional Eleitoral do país sobre a validação ou não das assinaturas, com o país em suspenso e em risco de uma explosão social em caso de rejeição, escreveu hoje a agência France Presse.

De acordo com a agência, a Venezuela está "à beira da implosão" desde a vitória dos partidos anti-chavistas nas legislativas de dezembro, algo que aconteceu pela primeira vez em 17 anos. Nas ruas da Venezuela "multiplicam-se os linchamentos e as pilhagens", resultado de um país produtor de petróleo com a economia devastada e no qual falta de tudo.

A oposição venezuelana, num braço de ferro com o governo para forçar a renúncia de Nicolás Maduro, alertou na quarta-feira para o risco de uma explosão social se o referendo for adiado.

"A pressão social na Venezuela chegaria a níveis imprevisíveis", realçou o vice-presidente do parlamento Enrique Marquez

No entanto, a oposição tem o tempo contra ela. Os anti-chavistas exigem que a consulta se realize até 10 de janeiro de 2017, para que haja tempo de se convocar novas eleições. Caso contrário, Nicolás Maduro seria apenas substituído pelo seu vice-presidente.

Mesmo que as autoridades eleitorais, acusadas de estar a fazer o jogo do presidente ao atrasar o processo, validem hoje as 200 mil assinaturas necessárias (de um total de 1,8 milhões recolhidas pela oposição) esse será apenas o primeiro passo de um longo processo rumo ao referendo.

Em primeiro lugar, os primeiros signatários do pedido deverão confirmar em pessoa, e por impressão digital, a sua escolha.

O MUD deverá então reunir 20% do eleitorado venezuelano (quase quatro milhões de votos) para que o referendo se realize. Finalmente, para que Nicolás Maduro seja afastado da presidência, essa opção terá de obter mais votos do que este obteve nas eleições de 2013 (ou seja, cerca de 7,5 milhões de votos).

As sondagens indicam que sete em cada dez venezuelanos querem o afastamento do presidente Maduro.

Os partidários do governo de Nicolás Maduro acusam a oposição de incluir nas assinaturas pró-referendo mais de dez mil nomes de pessoas que já morreram.


Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59