sicnot

Perfil

Mundo

Hungria acusa multimilionário George Soros de querer "causar distúrbios" no país

A Hungria acusou o multimilionário norte-americano natural daquele país, George Soros, de provocar agitação social, por financiar grupos opositores do Governo na temática da imigração.

© Ruben Sprich / Reuters

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban disse hoje, na rádio nacional Kossuth, que Soros "tenta causar distúrbios" e referiu o apoio financeiro que o magnata dá a grupos que contestam a política do Governo de direita contra a imigração.

"Soros opõe-se ao Governo ao apoiar grupos não governamentais que querem travar a posição das autoridades na questão migratória".

Orban disse que o povo húngaro "não apoia a política migratória dos países europeus", mas George Soros "tenta criar distúrbios" com o apoio financeiro aos referidos grupos.

Cerca de 300 mil migrantes e refugiados passaram pela Hungria no ano passado no contexto da crise migratória, antes que a cerca de ferro fosse levantada no outono por decisão do Governo, que introduziu leis fortes contra a imigração.

Apesar das medidas, fontes oficiais da Hungria referem que mais de 13.400 pessoas entraram no país de forma ilegal desde janeiro de 2016.

Soros, que disse em janeiro que a União Europeia estava "a cair aos bocados", apelou à União para que acolhesse "pelo menos um milhão de requerentes de asilo por ano".

Natural de Budapeste e nascido numa família judia, George Soros refugiou-se na Inglaterra devido ao anti-semitismo que caracterizou o regime nazi II Guerra Mundial e provocou o genocídio de judeus.

Desde que se mudou para os Estados Unidos da América, em 1950, George Soros começou a financiar grupos não governamentais de todos o mundo, incluindo grupos dissidentes da União Soviética em 1980, entre os quais estava Orban também.

Orban tornou-se admirador e aliado de Vladimir Putin, que subiu ao poder em 1999 como primeiro-ministro da Federação russa.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.