sicnot

Perfil

Mundo

Candidata dos "indignados" lidera corrida à câmara de Roma

As eleições municipais de domingo em várias regiões de Itália terminaram sem um vencedor claro nas principais cidades do país, mas com o Movimento Cinco Estrelas (M5S) mais perto de Roma, onde cresce a ultradireita.

reuters

Virginia Raggi, candidata pelo Movimento Cinco Estrelas (M5S), lidera a primeira volta das eleições municipais em Roma, num revés para o partido do primeiro-ministro, Matteo Renzi (Partido Democrático ou PD), indicam sondagens citadas pelas agências internacionais.

A advogada de 37 anos terá conquistado entre 34 e 38 por cento dos votos, segundo uma sondagem do Instituto Piepoli citada pela agência de notícias Efe.

Com uma campanha focada no descontentamento com uma série de escândalos de corrupção na capital italiana, a candidata "dos indignados" deverá enfrentar uma segunda volta a 19 de junho.

No segundo lugar na votação de domingo em Roma, segundo a mesma fonte, ficou o candidato do Partido Democrático, Roberto Giachetti (entre 20 e 24 por cento), do centro esquerda, seguido de muito perto pela líder do partido ultraconservador Irmãos de Itália, Giorgia Meloni (entre 16 e 20 por cento).

Roma é considerada como o grande prémio numa batalha pelos assentos municipais em todo o país, numa eleições que são vistas como um teste a Renzi.

Cerca de 13 milhões de italianos foram chamados a votar nas eleições locais de 1.342 municípios, entre os quais 25 capitais de província e sete capitais de região: Roma, Milão, Bolonha, Nápoles, Cagliari, Trieste e Turim.

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.