sicnot

Perfil

Mundo

ONU põe de lado lançamentos aéreos de ajuda humanitária na Síria

As Nações Unidas recuaram hoje no plano de lançar ajuda humanitária por avião na Síria e optaram por, para já, garantir a segurança dos comboios humanitários em terra, indicou o diretor do Gabinete de Ajuda Humanitária da ONU.

Ban Ki-moon, secretário geral da ONU.

Ban Ki-moon, secretário geral da ONU.

© Denis Balibouse / Reuters

"O nosso principal foco é agora garantir a segurança dos acessos terrestres, devido aos desafios de segurança e de logística subjacentes ao lançamento aéreo de ajuda humanitária", disse Stephen O'Brien.

Na semana passada, no Conselho de Segurança, em Nova Iorque, Stephen O'Brien disse que estaria por dias a entrega de um pedido de autorização formal a Damasco para começar as operações.

No entanto, esse pedido acabou por não ser entregue, tendo, ao invés, sido solicitado a Damasco autorização para dar início às operações de segurança nos acessos terrestres para permitir a entrega de alimentos e medicamentos em 34 áreas na Síria, entre elas 15 cidades cercadas.

"Se, a dada altura, decidirmos que o acesso por estrada não está garantido, pensaremos então melhor na via aérea", sublinhou hoje Stephen O'Brien.

O governo sírio autorizou na semana passada o acesso a 23 das 34 áreas listadas pela ONU, incluindo 12 cidades sitiadas, decisão recusada pelas Nações Unidas, que argumentaram com a necessidade de se chegar a todos os locais.

Na ocasião, a ONU deu às autoridades sírias até 10 de junho, para responder, disse Linda Tom, diretora do Gabinete de Ajuda Humanitária das Nações Unidas em Damasco.

Se Damasco mantiver a decisão, as Nações Unidas irão pedir autorização para começar as operações aéreas de distribuição de ajuda humanitária a populações em risco, mas será sempre como último recurso, acrescentou Linda Tom.

Segundo dados da ONU, quase 600 mil pessoas vivem sitiadas na Síria, maioritariamente pelas forças do regime, enquanto outras cerca de quatro milhões se encontram em áreas remotas e de difícil acesso.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.