sicnot

Perfil

Mundo

ONG denuncia crimes contra a humanidade no México cometidos na última década

As forças de segurança mexicanas e o grupo Los Zetas cometeram "crimes contra a humanidade" durante a última década, afirma a organização não-governamental norte-americana Open Society Justice Initiative, num relatório publicado na segunda-feira.

Reuters

No decurso da guerra contra a droga levada a cabo pelo Governo mexicano, entre dezembro de 2006 e o final de 2015, mais de 150 mil pessoas foram "mortas intencionalmente" no México e milhares de pessoas desapareceram, segundo a organização com sede em Nova Iorque.

A Open Society Justice Initiative, que luta contra os abusos em matéria dos direitos humanos, considera ter elementos suficientes para concluir que crimes contra a humanidade foram cometidos tanto "por atores governamentais como por não-governamentais", tais como o cartel Los Zetas.

Estes crimes visaram os mexicanos, mas também "imigrantes da América Central" que atravessam o país e ficam expostos "à violência cruel dos cartéis", precisou o relatório.

"O Governo deve agir imediatamente para reconhecer a gravidade da situação", considera a ONG.

A possibilidade de expor o caso perante o Tribunal Penal Internacional (TPI) é uma opção "se o México continuar sistematicamente a não investigar estes crimes atrozes", referem os autores do relatório.

O Governo do Presidente Enrique Peña Nieto respondeu na segunda-feira em comunicado que "em casos excecionais" onde as forças de segurança foram implicadas em violações de direitos humanos, os responsáveis devem ser julgados e condenados.

Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.