sicnot

Perfil

Mundo

Adolescente paquistanesa queimada viva pela mãe por escolher marido

Uma adolescente paquistanesa foi queimada viva hoje pela mãe depois de ter casado com um homem que tinha escolhido, disse a polícia, sobre o último de uma série dos designados "crimes de honra" no país.

Fotografia de Zeenat Rafiq, de 16 anos, mostrada pelo marido, Hassan Khan.

Fotografia de Zeenat Rafiq, de 16 anos, mostrada pelo marido, Hassan Khan.

K.M. Chaudary / AP

O marido Hassan Khan mostra a certidão de casamento.

O marido Hassan Khan mostra a certidão de casamento.

K.M. Chaudary / AP

Zeenat Rafiq, de 16 anos, foi alegadamente incendiada pela mãe, Perveen Rafiq, na cidade de Lahore (leste) pouco mais de uma semana após o casamento, referiu Haidar Ashraf, um oficial da polícia, à agência France Presse.

Trata-se do terceiro "crime de honra" em três meses.

Na semana passada, Maria Sadagat, de 19 anos, foi torturada e queimada por um grupo de pessoas numa localidade próxima da capital do Paquistão, Islamabad, por recusar uma proposta de casamento.

Outra rapariga, entre os 16 e os 18 anos, foi drogada, estrangulada e queimada às ordens de um conselho de aldeia (jirga) no noroeste do Paquistão, no final de abril, alegadamente por ter ajudado uma amiga a fugir com o seu namorado.

O marido de Zeenat, Hasan, disse a uma televisão local, Geo News, que o casal tinha fugido e que foi contactado depois do casamento pela família da mulher, que lhes prometeu uma festa de casamento e garantiu que ela não seria magoada se regressasse.

Ashraf disse que Perveen e outros membros da família tinham confessado o crime e que a polícia apreendeu querosene no local.

Centenas de mulheres são assassinadas pelos seus familiares todos os anos no Paquistão sob pretexto de que estão a defender a honra da família.

Lusa

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26