sicnot

Perfil

Mundo

Mais de metade dos refugiados chegados à Alemanha em 2016 não tinha documentos

Cerca de 80% dos refugiados que chegaram à Alemanha entre janeiro e abril deste ano não tinha passaporte, noticiou hoje o diário Bild, com base num relatório da polícia.

reuters

Dos 114.255 refugiados interditos pelas forças de segurança na fronteira, mais de metade - cerca de 91.000 - não tinha documentos, diz o relatório.

Entre janeiro e março, as autoridades registaram 1.306 passaportes falsificados, sendo que 145 eram de sírios.

No entanto, em 2015, o número de documentos falsificados foi quatro vezes maior - 4.973. Pertenciam a cidadãos sírios 834 desses passaportes.

Por outro lado, entre janeiro e abril deste ano, das 4.233 pessoas que entraram em território alemão, havia refugiados que tinham mandado de busca ou outros motivos para a sua detenção ou para evitar a entrada no país.

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.

  • Sol e bom tempo são pilares da economia algarvia
    3:21

    SIC 25 Anos

    Na capital da região algarvia, o ouro vem do céu. O sol brilha em média 300 dias por ano, o que faz do Algarve o maior destino de férias em Portugal e um dos destinos turísticos mais procurados da Europa, sobretudo nos últimos tempos. É a âncara da economia e da criação de emprego.