sicnot

Perfil

Mundo

Roche consegue aprovação de medicamentos para cancro do pulmão

O grupo farmacêutico Roche anunciou hoje que conseguiu luz verde da União Europeia para o seu medicamento Avastin, em associação com outro medicamento da empresa chamado Tarceva, para uma forma avançada de cancro de pulmão.

© Michael Buholzer / Reuters

A Comissão Europeia aprovou essa combinação de medicamentos como tratamento de primeira linha para pacientes adultos diagnosticados com cancro do pulmão inoperável, com metástase ou recorrente, referiu um comunicado da empresa.

Os medicamentos destinam-se ao cancro do pulmão chamado de não pequenas células, não escamosas, acompanhado por uma mutação no recetor do fator de crescimento epidérmico.

Essa doença, que é a forma mais comum de cancro de pulmão, é diagnosticada em 23.000 pessoas na Europa a cada ano.

Segundo um estudo de fase II, que representa a fase intermédia de ensaios clínicos, o risco de progressão da doença ou morte diminui em 46% em doentes tratados com esta combinação de drogas.


Lusa

  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.