sicnot

Perfil

Mundo

Militares e chavistas agrediram opositores junto a Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela

Militares e motociclistas armados agrediram esta quinta-feira um grupo de 60 deputados da oposição venezuelana que pretendiam exigir ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) o anúncio da data para verificação das assinaturas a favor dum referendo revogatório ao Presidente Nicolás Maduro.

Ariana Cubillos

Fontes parlamentares explicaram à Agência Lusa que os deputados encontram-se nas proximidades do CNE e que no meio da agressão, Júlio Borges, chefe da bancada da aliança opositora Mesa de Unidade Democrática, foi atacado e ferido no rosto por coletivos de chavistas armados que ali se encontravam.

Os coletivos agrediram ainda com tacos de basebol os opositores Alfonso Marquina e José Manuel Olivares, entre outros deputados.

A agressão teve lugar depois de oficiais da Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar) e da Polícia Nacional Bolivariana (PBN), usando gás pimenta e bombas de gás lacrimogéneo e tiros de borracha, impedirem os deputados de entrarem nas instalações do CNE.

Pouco antes do deputado Júlio Borges, explicou aos jornalistas que acudiam "em paz" ao CNE, porque tinham "40 dias esperando" que aquele organismo "anuncie as datas para a validação das assinaturas para ativar o referendo revogatório contra o Presidente Nicolás Maduro".

"Estamos aqui em representação dos oito milhões de pessoas que votaram pela Assembleia Nacional (em dezembro de 2015) e pelos dois milhões de pessoas" que assinaram a favor do referendo, declarou, acrescentando que "não é possível que os venezuelanos estejam cercados" e não possam exigir os seus direitos.

Ensanguentado depois da agressão, Júlio Borges disse aos jornalistas que "cada golpe" fortalece a oposição, que não desistirá da vontade de mudar o Governo da Venezuela.

O parlamentar acusou o general Fábio Zavarse, chefe da GNB, de impedir a entrada dos deputados no CNE e de "empurrar os parlamentares contra os coletivos (grupos de chavistas armados)" que os golpearam "com tubos, pedras e engenhos explosivos".

Entretanto, funcionários da GNB e da PNB reprimiram hoje uma manifestação de estudantes em Caracas, que ao som de "revogatório já" pretendiam chegar ao CNE para exigir a realização do referendo.

A oposição venezuelana anunciou na segunda-feira que representantes do CNE indicaram que tinham sido validadas 1,3 milhões das 1,8 milhões de assinaturas recolhidas pela oposição para pedir a convocação de um referendo, processo para o qual era necessário menos de 200 mil assinaturas.

Ainda não houve nenhum pronunciamento oficial do CNE nesse sentido, apesar de informações não oficiais darem conta que aquele organismo emitiria um comunicado na última quarta-feira.

A oposição acusa as quatro reitoras do CNE de estarem aliadas com o regime do Presidente Nicolás Maduro e de atrasarem intencionalmente o processo para evitar que exista referendo revogatório ainda em 2016.

Se o referendo não se realizar em 2016, não será necessária a convocatória de eleições presidenciais antecipadas, prevendo a legislação que o vice-presidente Executivo dirija o país até ao final do atual mandado, que termina em 2019.

Lusa

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • "GPS cerebral" pode ser a chave para doenças neurodegenerativas
    1:28

    País

    A cimeira mundial do Alzheimer, a decorrer na Fundação Champalimaud em Lisboa, está a mostrar as últimas novidades na luta contra as demências. O Nobel da Medicina John O'Keefe, que tem partilhado as descobertas dos últimos anos, salientou a mais importante, que diz respeito ao mecanismo de orientação do cérebro.

  • Ministro da Segurança Social admite hipótese de aumento de pensões em 2018
    0:47

    Economia

    O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social não exclui a hipótese de haver um novo aumento extraordinário nas pensões, no próximo ano. Vieira da Silva diz que as negociações ainda não estão fechadas e sublinha que a única garantia que pode dar é que as reformas vão voltar a ser atualizadas em 2018 de acordo com a inflação.

  • Mais de 5.400 mortos nas estradas desde 2010

    País

    Desde o início desta década e até à semana passada morreram nas estradas portuguesas 5.424 pessoas, com os acidentes rodoviários a provocarem um prejuízo económico superior a 15 mil milhões de euros.

  • Jato privado incendeia-se no aeroporto de Istambul

    Mundo

    Um jato privado com quatro pessoas a bordo despistou-se e, por consequência, incendiou-se esta quinta-feira no Aeroporto de Istambul. De acordo com os media locais, todos os ocupantes sobreviveram, saindo do avião por si mesmos, apenas com ferimentos ligeiros.

  • Mexicana dá à luz na rua durante sismo

    Mundo

    No meio da tormenta, uma bênção: o trágico sismo que abalou o México esta semana encontrou Jessica Mendoza, grávida, a caminho do hospital para o tão ansiado parto. Mas o pior da natureza antecipou-se ao melhor e o nascimento foi, no mínimo, agitado.

    SIC

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Família Portugal Ramos
    15:01
  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49
  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Trump fez discurso de "gangster" na ONU

    Mundo

    O guia supremo da República Islâmica do Irão, o 'ayatollah' Ali Khamenei, qualificou esta quinta-feira de "linguagem de 'cowboy' e de 'gangster'" a violenta crítica na ONU do presidente norte-americano, Donald Trump, contra Teerão.

  • Deputado do Canadá pede desculpa por chamar "Barbie do Clima" a ministra

    Mundo

    O deputado da província de Saskatchewan, no Canadá, chamou na terça-feira a ministra do Ambiente de "Barbie do Clima". Catherine McKenna não gostou de ser apelidada desta forma e acusou Gerry Ritz de ter um comportamento sexista. Após a crítica, foram precisos apenas 20 minutos para o deputado fazer um pedido de desculpas à ministra.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC

  • Como acabar com o cyberbulling? Os internautas aconselham Melania Trump

    Mundo

    Melania Trump está a ser alvo de piadas na internet, depois de ter dado um discurso, a propósito da Assembleia-Geral da ONU, sobre cyberbulling. Uns destacaram que a primeira-dama estava a falar de pobreza com um vestido de 3.000 dólares (cerca de 2.500 euros). Outros lembraram a ironia do discurso com as atitudes de Donald Trump, acusando-o de ser um bullie, que deveria ser parado, e que o primeiro passo seria impedir a presença o Presidente norte-americano no Twitter.

    SIC