sicnot

Perfil

Mundo

Nihonium e moscovium são 2 dos 4 novos elementos da tabela periódica

Quatro novos elementos foram acrescentados à tabela periódica por cientistas japoneses, russos e norte-americanos, anunciou hoje a União Internacional da Química Pura e Aplicada (IUPAC).

IUPAP

IUPAP

Os cientistas do Japão, que descobriram o elemento número 113, na primeira contribuição asiática para a tabela periódica de elementos químicos, escolheram o nome nihonium, que vem do nome do país na língua local, e o símbolo Nh.

Os cientistas russos e norte-americanos propuseram moscovium (Mc) para o elemento número 115, tennessine (Ts) para o elemento número 117 e oganesson (Og) para o elemento número 118.

A IUPAC recomendou que os nomes e os símbolos fossem aceites internacionalmente após análise.

A IUPAC e a União Internacional da Física Pura e Aplicada (IUPAP) já aprovaram as designações.

Elementos criados pelo homem

Os novos elementos, sintéticos, são produzidos através de experiências de laboratório, ao contrário daqueles que são encontrados na natureza como o hidrogénio, o carbono ou o magnésio.

Foram validados em dezembro de 2015.

A IUPAC disse na quarta-feira num comunicado que os elementos descobertos podem ter nomes de conceitos ou personagens mitológicos, minerais ou substâncias parecidas, sítios ou regiões geográficas, uma propriedade do elemento ou um cientista.

Para além de ser o primeiro elemento na tabela periódica a ser descoberta por cientistas japoneses, o elemento número 113 é também o primeiro da Ásia, segundo o Instituto Riken - o instituto japonês de pesquisa que fez a descoberta - e a IUPAC.

Embora seja bem recebido, algumas pessoas acham que o nome japonês não vai ser percebido pelos estrangeiros.

"Se dissermos nihonium, nippon (nihon) é algo que só os japoneses usam e os estrangeiros não vão perceber", lia-se num tweet escrito em japonês.

Nipon é uma variante mais formal do nome do país em japonês.

Os nomes dos outros elementos homenageiam a capital russa - Moscovo -, o estado norte-americano do Tennessee e o físico nuclear russo Yuri Oganessian.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.