sicnot

Perfil

Mundo

Fragmento de rocha extraterrestre encontrado na Suécia

Um fragmento de rocha extraterrestre até agora desconhecida, e que terá cerca de 470 milhões de anos, foi encontrado numa pedreira de calcário na Suécia, anunciaram cientistas na revista especializada "Nature Communications".

© Mike Blake / Reuters

Com o tamanho de uma bolacha, o pedaço não se parece com nenhum meteorito encontrado na Terra até hoje e, por isso, os cientistas acreditam que pode trazer novidades sobre a história e formação do sistema solar.

O fragmento, denominado 'Oest 65' ter-se-á desprendido da "rocha-mãe", que teria cerca de 20 a 30 quilómetros de largura, ao ocorrer uma colisão com um corpo celeste muito maior e os investigadores avançam a hipótese de outros restos estarem espalhados pelo planeta.

Até agora só tinham sido encontrados partes de uma rocha com largura de 100 a 150 quilómetros, na forma de meteoritos chamados 'condritos', da qual muitos pedaços se terão aglomerado na cintura de asteroides entre Marte e Júpiter.

Os cientistas acreditam que o pedaço encontrado na pedreira sueca pertence ao segundo corpo da grande colisão, que fez cair na Terra uma "chuva" de materiais extraterrestres, que coincidiu com uma grande expansão de invertebrados nos oceanos.

"O único meteorito que encontrámos hoje é de um tipo que não conhecemos no mundo atual", disse à Agence France Presse (AFP) um dos coautores do artigo, Birger Schmitz, da Universidade de Lund na Suécia.

O 'Oest 65' contém quantidades demasiado elevadas de elementos como o irídio e isótopos de néon para ser de origem terrestre. As proporções encontradas são também diferentes das existentes nos condritos.

Segundo cálculos e medidas da radiação cósmica, a equipa descobriu que o fragmento caiu na Terra há cerca de 470 milhões de anos, pela mesma altura dos condritos encontrados anteriormente.

Este pode ser o primeiro exemplo documentado de um "meteorito extinto", enquanto os condritos continuam a cair na Terra.

"Aparentemente, há potencial para reconstruir aspetos importantes da história do sistema solar, olhando para baixo, para os sedimentos da Terra e para cima, para o céu", escreveu a equipa.

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.