sicnot

Perfil

Mundo

Cinco milhões de refugiados sírios estão em perigo, alerta ACNUR

Cinco milhões de refugiados sírios estão em perigo porque menos de um quarto dos 11 mil milhões de dólares prometidos pela comunidade internacional em fevereiro chegaram aos países de acolhimento, segundo o ACNUR.

reuters

Em entrevista à agência francesa AFP, o diretor para o Médio Oriente e Norte de África do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Amin Awad, denunciou o "fracasso coletivo" da ajuda aos refugiados sírios que "é preciso reparar".

A 4 de fevereiro, em Londres, uma conferência de doadores organizada pela ONU, o Reino Unido, Koweit, Noruega e Alemanha, terminou com um compromisso sem precedentes para a doação de 11 mil milhões de dólares (9,8 mil milhões de euros) até 2020 para ajudar os cerca de 18 milhões de sírios mil milhões de euros) vítimas da guerra.

Mas segundo Awad, apenas 2,5 mil milhões de dólares foram efetivamente distribuídos, enquanto os países vizinhos da Síria -- Turquia, Líbano, Jordânia e Iraque -- sentem o afluxo dos refugiados.

"Os países da linha da frente estão dececionados e sentem-se abandonados", afirmou o responsável do ACNUR, que se deslocou a Washington para abordar o problema com responsáveis norte-americanos.

Num país com cerca de 23 milhões de habitantes antes do conflito, 13,5 milhões de pessoas foram afetadas ou deslocadas pela guerra, de acordo com dados da ONU de janeiro. A mesma organização estima que 4,7 milhões de pessoas fugiram da Síria.

A Turquia tornou-se o principal país de acolhimento, com 2 a 2,5 milhões de sírios. O Líbano recebeu cerca de 1,2 milhões, ou seja, um quarto da população daquele pequeno país. Na Jordânia, cerca de 630.000 sírios estão registados junto do ACNUR, mas Amã estima-os em mais de um milhão. Outros 225.000 sírios refugiaram-se no Iraque e 137.000 no Egito.

Nunca houve tantos refugiados no mundo -- 60 milhões -- e um terço deles encontra-se na grande região do Médio Oriente.

"Entre os sete mil milhões de pessoas no mundo, a população do Médio Oriente representa apenas 5 a 7 por cento, mas esta parte do planeta cheia de turbulência conta com 35 a 40 por cento dos casos" de refugiados, estimou o representante do ACNUR.

  • Ex-diretor do Fisco desmente Núncio sobre transferências para offshores

    Economia

    O ex-diretor geral da Autoridade Tributária, José de Azevedo Pereira, acusou esta sexta-feira o ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, de não ter autorizado a divulgação das polémicas transferências para paraísos fiscais, isto depois do antigo governante ter dito que a decisão pela não publicação tinha sido da responsabilidade do Fisco.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.