sicnot

Perfil

Mundo

Paquistanesa ataca com ácido namorado que recusou casar

A polícia paquistanesa anunciou hoje a detenção de uma mulher que alegadamente queimou o namorado com ácido por ele se ter recusado a casar com ela.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Khaled Abdullah / Reuters

Momil Mai, casada e mãe de quatro filhos, mantinha há vários anos uma relação amorosa com Saddaqat Ali, de 25 anos, também casado, disse a polícia da cidade de Multan, na província do Punjab.

Mai queria ser a segunda mulher de Ali, acrescentou. A poligamia é legal, mas rara entre os muçulmanos conservadores paquistaneses.

"Na quarta-feira à noite, como era hábito, Ali foi ter com Mai e ela atirou ácido para cima dele, depois de ele se ter recusado, mais uma vez, a casar com ela", disse Bashir Ahmed, polícia local.

Ashiq Malik, responsável do hospital público de Multan onde Ali está a receber tratamento, disse que a vítima ficou queimada em cerca de 60% do corpo. Os médicos estão a lutar para salvar a vida de Ali, afirmou.

A justiça abriu um processo contra Mai, na sequência de uma queixa da família de Ali.

Os ataques com ácido, normalmente contra mulheres, que ficam desfiguradas e muitas vezes cegas, são usados para resolver problemas pessoais ou familiares no Paquistão. Todos os anos são registados centenas de casos, mas é raro uma mulher atacar um homem.

No Punjab, zona rural do sul do Paquistão, é fácil comprar ácido, produto de uso agrícola.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.