sicnot

Perfil

Mundo

Paquistanesa ataca com ácido namorado que recusou casar

A polícia paquistanesa anunciou hoje a detenção de uma mulher que alegadamente queimou o namorado com ácido por ele se ter recusado a casar com ela.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Khaled Abdullah / Reuters

Momil Mai, casada e mãe de quatro filhos, mantinha há vários anos uma relação amorosa com Saddaqat Ali, de 25 anos, também casado, disse a polícia da cidade de Multan, na província do Punjab.

Mai queria ser a segunda mulher de Ali, acrescentou. A poligamia é legal, mas rara entre os muçulmanos conservadores paquistaneses.

"Na quarta-feira à noite, como era hábito, Ali foi ter com Mai e ela atirou ácido para cima dele, depois de ele se ter recusado, mais uma vez, a casar com ela", disse Bashir Ahmed, polícia local.

Ashiq Malik, responsável do hospital público de Multan onde Ali está a receber tratamento, disse que a vítima ficou queimada em cerca de 60% do corpo. Os médicos estão a lutar para salvar a vida de Ali, afirmou.

A justiça abriu um processo contra Mai, na sequência de uma queixa da família de Ali.

Os ataques com ácido, normalmente contra mulheres, que ficam desfiguradas e muitas vezes cegas, são usados para resolver problemas pessoais ou familiares no Paquistão. Todos os anos são registados centenas de casos, mas é raro uma mulher atacar um homem.

No Punjab, zona rural do sul do Paquistão, é fácil comprar ácido, produto de uso agrícola.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.