sicnot

Perfil

Mundo

Angola ainda tem de 1.283 áreas para desminar

Angola desminou nos dois últimos anos 136 áreas do seu território, correspondente a 1,3 mil milhões de metros quadrados, mas tem ainda por limpar 1.283 áreas, incluindo estradas, quando escasseiam financiamentos para esse programa.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Siphiwe Sibeko / Reuters

Os dados foram divulgados no decorrer de um encontro realizado hoje pela Comissão Nacional Intersetorial de Desminagem e Assistência Humanitária (CNIDAH) para informar os parceiros sobre as ações desenvolvidas desde 2013 até à presente data, para o cumprimento do artigo 5.º da Convenção de Otava, que levará o país a ser declarado livre minas.

O Governo angolano, que ratificou em 2002 a convenção de Otava, solicitou em 2012 uma moratória de cinco anos para a continuação das suas operações de desminagem e segurança das zonas minadas, e prepara-se para pedir uma nova extensão do prazo até 2025.

No encontro, os participantes, foram informados que de 2013 à data presente, o processo de desminagem permitiu a recolha e destruição de 12.244 minas antipessoal, 1.722 antitanque e de 3,2 milhões de engenhos explosivos não detonados.

No mesmo período, as ações de desminagem permitiram ainda desminar 5.026 quilómetros de estradas, mas encontram-se ainda por limpar 122 quilómetros, 32 dos quais na província do Cuando Cubango, seguindo-se a Huíla (19), Bié (18) e Moxico (16).

As províncias com mais áreas minadas são o Moxico (277), Cuando Cubango (249), Cuanza Sul (128), Bié (109), Benguela (75), Uíge (51), Bengo (48), Cuanza Norte (45), Huambo (26), Cunene (25), Zaire (22), Lunda Sul (19) e Huíla (18).

A capital de Angola, Luanda, com uma área minada, é a província com o menor número de zonas afetadas, seguindo-se Cabinda com duas, Namibe e Lunda Norte, com três cada uma, e Malange, com oito.

Durante a apresentação dos dados, o assessor nacional do planeamento da CNIDAH, Augusto Santana, disse estão ainda por pesquisar as províncias de Cabinda, Luanda, Bengo, Lunda Norte e Lunda Sul, estando em curso trabalhos de investigação no Cunene e Moxico.

Augusto Santana disse que falta dinheiro para serem desenvolvidas as pesquisas nas cinco províncias em falta, quando faltam apenas cinco meses para a sua finalização e se dar início ao próximo pedido de extensão do prazo até 2025.

"Portanto, queria aproveitar a ocasião para encorajar os nossos parceiros, aqueles que têm algum contacto com doadores que possam eventualmente cobrir na totalidade ou parcialmente essa pesquisa, agradecíamos muito que esses contactos fossem feitos", apelou Augusto Santana.

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.