sicnot

Perfil

Mundo

Justiça francesa adia decisão sobre homicídio de Yasser Arafat

A justiça francesa adiou hoje uma decisão sobre o arquivamento do inquérito ao homicídio por envenenamento do dirigente palestiniano Yasser Arafat, aberto depois da morte em 2004.

© Reuters Photographer / Reuter

A câmara de instrução do tribunal de recurso de Versailles, arredores de Paris, adiou a decisão "para 24 de junho ou 08 de julho", disse fonte judiciária.

Convencidos de que a justiça encerrou demasiado depressa o processo, apesar de "ninguém ser capaz de explicar a morte de Yasser Arafat", Francis Szpiner e Renaud Semerdjian, advogados de Suha Arafar, viúva do líder da Organização de Libertação da Palestina (OLP), recorreram da decisão de arquivamento, de setembro de 2015, e pediram a anulação de uma perícia-chave para o inquérito.

Na decisão de arquivamento do processo, os três juízes de Nanterre consideraram "que no final das investigações (...) não foi demonstrado que Yasser Arafat tenha sido assassinado por envenenamento com polónio 210 e não existe qualquer prova suficiente da intervenção de uma terceira parte que teria atentado contra a vida" do dirigente palestiniano, indicou o procurador de Nanterre, que não pronunciou qualquer acusação.

Arafat morreu a 11 de novembro de 2004, no hospital militar Percy de Clamart, perto de Paris, na sequência de uma brusca deterioração do estado de saúde e as causas da morte nunca foram apuradas. O líder da OLP tinha sido hospitalizado, no final de outubro, depois de ter sentido dores abdominais.

Suha recorreu à justiça em agosto de 2012, na sequência da descoberta de polónio 210, substância radioativa altamente tóxica, no corpo do marido.

Os peritos mandatados pelos juízes franceses afastaram, em duas ocasiões, a tese de envenenamento, considerando que a presença no ambiente exterior de um gás radioativo natural, o radão, explicava as fortes quantidades de polónio encontradas na sepultura e no corpo de Arafat.

Peritos suíços contratados pela viúva concluíram que os resultados registados "apoiavam a hipótese de envenenamento" com polónio.

Em investigações complementares, os franceses voltaram a analisar os dados brutos obtidos da análise, em 2004, pelo serviço de proteção radiológica das forças armadas de amostras de urina de Arafat, colhida durante a hospitalização, mas não encontraram polónio 210.

Os advogados questionam a origem misteriosa destes resultados de análises da urina, afirmando que estes elementos não constavam do processo, o que é motivo suficiente para anular a perícia complementar.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59