sicnot

Perfil

Mundo

Arroz de Fukushima vendido no Reino Unido

O Reino Unido será o primeiro país da União Europeia (UE) a voltar a comercializar arroz de Fukushima depois de a região japonesa ter sido, há cinco anos, palco de uma das piores catástrofes nucleares da história.

Arrozal em Fukushima

Arrozal em Fukushima

REUTERS

A partir de julho, o produto estará disponível em vários espaços comerciais de Londres, graças a uma campanha de um grupo de japoneses oriundos de Fukushima residentes no Reino Unido e a uma cooperativa agrícola local, informa hoje o jornal Japan Times.

Os dois grupos conseguiram que fossem exportadas 1,9 toneladas de uma variedade de arroz denominada "Ten no tsubu" ("grão do céu", em japonês).

Segundo dados do Ministério dos Negócios Estrangeiros japonês, relativos ao mês de março, 34 países ainda aplicam proibições ou limitações de algum tipo a produtos cultivados na prefeitura de Fukushima ou arredores por receio de que estejam contaminados.

Desde o passado mês de janeiro, a UE permite importar chá, produtos de origem animal ou fruta (com exceção de dióspiro) sem necessidade de certificados que comprovem que passaram com sucesso os controlos de radiação.

No entanto, o arroz de Fukushima ainda tem de ser acompanhado de um destes documentos que certificam que passou os testes no Japão, bem como no país de destino, para poder entrar na UE.

As 1,9 toneladas vão chegar acompanhadas de um certificado de origem ao Reino Unido, que se torna o terceiro país do mundo a importar arroz de Fukushima desde o acidente, depois da Malásia e de Singapura.

As emissões radioativas que resultaram do desastre na central de Fukushima Daiichi, provocado pelo sismo e 'tsunami' em março de 2011, ainda mantêm deslocadas milhares de pessoas que viviam junto à central, e afetaram a agricultura, criação de animais e pesca.

Lusa

  • Japão, EUA e França vão trabalhar juntos para desmantelar central nuclear de Fukushima

    Mundo

    Japão, Estados Unidos e França vão trabalhar juntos para desmantelar a central nuclear de Fukushima. Os três governos vão trabalhar para desenvolver as tecnologias necessárias para retirar o combustível fundido da central nuclear. Na sexta-feira, dia 11, fez cinco anos desde que um terramoto, seguido de um tsunami, provocou a pior crise nucelar desde Chernobil em 86. Em cinco anos foi concluído apenas 10 por cento do trabalho para desmantelar a central.

  • Tsunami no Japão foi há 5 anos
    3:05

    Mundo

    Faz hoje 5 anos que o nordeste do Japão foi abalado por um sismo e tsunami que desencadearam o desastre nuclear de Fukushima. Este foi o pior desastre nuclear desde Chernobil.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59