sicnot

Perfil

Mundo

Arroz de Fukushima vendido no Reino Unido

O Reino Unido será o primeiro país da União Europeia (UE) a voltar a comercializar arroz de Fukushima depois de a região japonesa ter sido, há cinco anos, palco de uma das piores catástrofes nucleares da história.

Arrozal em Fukushima

Arrozal em Fukushima

REUTERS

A partir de julho, o produto estará disponível em vários espaços comerciais de Londres, graças a uma campanha de um grupo de japoneses oriundos de Fukushima residentes no Reino Unido e a uma cooperativa agrícola local, informa hoje o jornal Japan Times.

Os dois grupos conseguiram que fossem exportadas 1,9 toneladas de uma variedade de arroz denominada "Ten no tsubu" ("grão do céu", em japonês).

Segundo dados do Ministério dos Negócios Estrangeiros japonês, relativos ao mês de março, 34 países ainda aplicam proibições ou limitações de algum tipo a produtos cultivados na prefeitura de Fukushima ou arredores por receio de que estejam contaminados.

Desde o passado mês de janeiro, a UE permite importar chá, produtos de origem animal ou fruta (com exceção de dióspiro) sem necessidade de certificados que comprovem que passaram com sucesso os controlos de radiação.

No entanto, o arroz de Fukushima ainda tem de ser acompanhado de um destes documentos que certificam que passou os testes no Japão, bem como no país de destino, para poder entrar na UE.

As 1,9 toneladas vão chegar acompanhadas de um certificado de origem ao Reino Unido, que se torna o terceiro país do mundo a importar arroz de Fukushima desde o acidente, depois da Malásia e de Singapura.

As emissões radioativas que resultaram do desastre na central de Fukushima Daiichi, provocado pelo sismo e 'tsunami' em março de 2011, ainda mantêm deslocadas milhares de pessoas que viviam junto à central, e afetaram a agricultura, criação de animais e pesca.

Lusa

  • Japão, EUA e França vão trabalhar juntos para desmantelar central nuclear de Fukushima

    Mundo

    Japão, Estados Unidos e França vão trabalhar juntos para desmantelar a central nuclear de Fukushima. Os três governos vão trabalhar para desenvolver as tecnologias necessárias para retirar o combustível fundido da central nuclear. Na sexta-feira, dia 11, fez cinco anos desde que um terramoto, seguido de um tsunami, provocou a pior crise nucelar desde Chernobil em 86. Em cinco anos foi concluído apenas 10 por cento do trabalho para desmantelar a central.

  • Tsunami no Japão foi há 5 anos
    3:05

    Mundo

    Faz hoje 5 anos que o nordeste do Japão foi abalado por um sismo e tsunami que desencadearam o desastre nuclear de Fukushima. Este foi o pior desastre nuclear desde Chernobil.

  • Morreu o companheiro de Nelson Mandela

    Mundo

    Ahmed Kathrada, activista e ícone sul-africano que lutou ao lado de Mandela contra o "apartheid" morreu hoje aos 87 anos, informou a fundação de caridade Kathrada.

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23
  • Vidas Suspensas: Delfim 353
    29:30
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.