sicnot

Perfil

Mundo

Branqueamento da Grande Barreira de Coral pode custar um milhão de turistas à Austrália

O branqueamento da Grande Barreira de Coral na Austrália pode fazer o país perder mais de um milhão de visitantes e elevadas somas em receitas turísticas, indica um estudo hoje divulgado.

© David Gray / Reuters

O coral, classificado como património mundial, tem tido um processo sem precedentes de branqueamento que já levou a que um quarto dos corais tenha morrido.

"O turismo nas áreas de recife está em risco de perder mais de um milhão de visitantes por ano", indica o relatório do 'think-tank' independente Instituto Australiano.

O instituto estimou ainda a perda de cerca de 747 milhões de dólares em receitas, caso os turistas decidam não viajar para a região.

Cerca de dez mil empregos no estado de Queensland ficam em risco, caso se verifique uma queda no turismo, a maior indústria da zona.

"A continuação do branqueamento pode não só afetar o estatuto do recife como principal destino internacional de turismo, mas também ter um impacto na identidade da Austrália, como destino internacional de turismo", diz o relatório.

No ano passado, cerca de 3,5 milhões de turistas, a maioria australianos, visitaram as zonas junto ao recife.

O instituto entrevistou milhares de australianos e turistas dos principais mercados - China, Estados Unidos e Reino Unido.

Mais de um terço dos australianos disseram ser mais provável viajarem para outras zonas do país se o branqueamento continuar.

No que toca aos turistas estrangeiros inquiridos, mais de metade dos chineses e cerca de um terço dos norte-americanos e britânicos disseram ser mais provável visitarem outro país, caso a deterioração dos corais continue.

Lusa

  • Mergulhadores espanhóis e forenses envolvidos nas buscas no rio Minho
    0:35
  • Portugal vai testar capacidade de resposta a ciberataque
    0:22

    País

    O exercício está marcado para os dias 09 e 10 de maio e é o primeiro a nível nacional a testar um ciberataque em Portugal. O teste é organizado pelo Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) para apurar "o "grau de preparação" das várias entidades públicas e privadas, mas já conclusões a ter em conta. Segundo o coordenador do CNCS, Pedro Veiga confirma-se tendência para os ataques serem cada vez mais sofisticados e é preciso alertar a população para o que publicam na internet e se pode colocar em risco a privacidade e a segurança.

  • As suspeitas que recaem sobre Ricardo Salgado e Manuel Pinho
    2:00