sicnot

Perfil

Mundo

Branqueamento da Grande Barreira de Coral pode custar um milhão de turistas à Austrália

O branqueamento da Grande Barreira de Coral na Austrália pode fazer o país perder mais de um milhão de visitantes e elevadas somas em receitas turísticas, indica um estudo hoje divulgado.

© David Gray / Reuters

O coral, classificado como património mundial, tem tido um processo sem precedentes de branqueamento que já levou a que um quarto dos corais tenha morrido.

"O turismo nas áreas de recife está em risco de perder mais de um milhão de visitantes por ano", indica o relatório do 'think-tank' independente Instituto Australiano.

O instituto estimou ainda a perda de cerca de 747 milhões de dólares em receitas, caso os turistas decidam não viajar para a região.

Cerca de dez mil empregos no estado de Queensland ficam em risco, caso se verifique uma queda no turismo, a maior indústria da zona.

"A continuação do branqueamento pode não só afetar o estatuto do recife como principal destino internacional de turismo, mas também ter um impacto na identidade da Austrália, como destino internacional de turismo", diz o relatório.

No ano passado, cerca de 3,5 milhões de turistas, a maioria australianos, visitaram as zonas junto ao recife.

O instituto entrevistou milhares de australianos e turistas dos principais mercados - China, Estados Unidos e Reino Unido.

Mais de um terço dos australianos disseram ser mais provável viajarem para outras zonas do país se o branqueamento continuar.

No que toca aos turistas estrangeiros inquiridos, mais de metade dos chineses e cerca de um terço dos norte-americanos e britânicos disseram ser mais provável visitarem outro país, caso a deterioração dos corais continue.

Lusa

  • "Só tive tempo de avisar o meu sogro e o meu marido e disse: corram!"
    2:17
  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • "Atrás das Câmaras" em Fátima
    2:48
  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15
  • PS quer reconquistar poder em Vila Viçosa
    2:06

    Autárquicas 2017

    Ana Catarina Mendes insistiu na ideia de que o PSD escolheu um modo perigoso de fazer campanha, ao insistir nas críticas à lei da imigração. Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS, esteve esta quarta-feira em campanha no distrito de Évora.

  • Troca de argumentos entre Medina e Cristas marca campanha em Lisboa
    2:34

    Autárquicas 2017

    Esta quarta-feira o dia de campanha em Lisboa ficou marcado por uma troca de argumentos entre Fernando Medina e Assunção Cristas. O atual presidente da Câmara acusa a candidata do CDS de não respeitar os lisboetas por admitir que pode não exercer o cargo de vereadora até ao fim do mandato. Já Assunção Cristas garante que se for eleita cumpre o mandato até ao fim.

  • "Não toleramos ameaças de ninguém"
    2:13
  • Número de tartarugas marinhas está a aumentar

    Mundo

    O número de tartarugas marinhas está a crescer, levando investigadores a considerar que os esforços para salvar estes animais são uma "história de sucesso da conservação global", indica um estudo divulgado esta quarta-feira.

  • Tubarões vivem mais tempo do que se pensava

    Mundo

    Uma revisão de dados sobre avaliação da idade dos tubarões revela que muitas espécies têm maior longevidade do que se pensava, o que poderá obrigar a uma revisão dos planos de conservação das mais ameaçadas.

  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.

  • Casal morre com horas de diferença depois de 75 anos de casamento

    Mundo

    George e Jean Spear morreram no passado dia 15 de setembro, no hospital de Queensway Carleton, em Ottawa (Canadá), depois de terem celebrado 75 anos de casamento em agosto. A britânica de 94 anos conheceu o candaniano em 1941, num salão de bailes, em Londres. George Spear servia as Forças Armadas durante a Segunda Guerra Mundial.

    SIC