sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 700 médicos mortos em cinco anos de guerra na Síria

Mais de 700 médicos e outros profissionais de saúde foram mortos na Síria desde o início da guerra, há mais de cinco anos, a maioria em ataques aéreos contra instalações de saúde, informaram hoje especialistas da ONU.

Um médico (ao centro) dá formação em primeiros socorros a um grupo de rebeldes sírios.

Um médico (ao centro) dá formação em primeiros socorros a um grupo de rebeldes sírios.

© Goran Tomasevic / Reuters (Arquivo)

O presidente da comissão de inquérito da ONU sobre a Síria, o brasileiro Paulo Pinheiro, afirmou hoje perante o Conselho de Direitos Humanos da ONU que ataques aéreos dirigidos e generalizados contra hospitais e clínicas por toda a Síria "tiveram como resultado muitas mortes civis, incluindo muitos tão necessários profissionais de saúde".

"Mais de 700 médicos e profissionais de saúde foram mortos em ataques a hospitais desde o princípio do conflito", disse.

Pinheiro, que apresentou hoje ao Conselho o mais recente relatório da comissão, afirmou que os ataques a instalações médicas e as mortes de tantos profissionais médicos tornaram o acesso a cuidados de saúde no país extremamente difícil e, em algumas zonas, completamente impossível.

"À medida que as baixas civis aumentam, o número de instalações e pessoal médico diminui, limitando ainda mais o acesso a cuidados médicos", disse.

O especialista denunciou por outro lado ataques a outras infraestruturas essenciais à vida civil, como mercados, escolas e padarias.

"A cada ataque, os sobreviventes ficam mais vulneráveis", disse, acrescentando que "escolas, hospitais, mesquitas, depósitos de água... está tudo a ser transformado em ruínas".

O conflito armado na Síria, iniciado em março de 2011, já fez mais de 280.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados, segundo a ONU.

Paulo Pinheiro referiu por outro lado que a comissão está a investigar alegações segundo as quais a Frente al-Nosra e "outros grupos ligados à Al-Qaida", "recrutaram centenas de crianças menores de 15 em Idleb", no noroeste da Síria.

Lusa

  • Queixas sobre comércio online dispararam em 2017

    Economia

    A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) recebeu 1.642 reclamações sobre compras feita pela internet em 2017, numa média de quatro queixas por dia, número que sobe para 8.538 no caso da rede social Portal da Queixa.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52