sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 700 médicos mortos em cinco anos de guerra na Síria

Mais de 700 médicos e outros profissionais de saúde foram mortos na Síria desde o início da guerra, há mais de cinco anos, a maioria em ataques aéreos contra instalações de saúde, informaram hoje especialistas da ONU.

Um médico (ao centro) dá formação em primeiros socorros a um grupo de rebeldes sírios.

Um médico (ao centro) dá formação em primeiros socorros a um grupo de rebeldes sírios.

© Goran Tomasevic / Reuters (Arquivo)

O presidente da comissão de inquérito da ONU sobre a Síria, o brasileiro Paulo Pinheiro, afirmou hoje perante o Conselho de Direitos Humanos da ONU que ataques aéreos dirigidos e generalizados contra hospitais e clínicas por toda a Síria "tiveram como resultado muitas mortes civis, incluindo muitos tão necessários profissionais de saúde".

"Mais de 700 médicos e profissionais de saúde foram mortos em ataques a hospitais desde o princípio do conflito", disse.

Pinheiro, que apresentou hoje ao Conselho o mais recente relatório da comissão, afirmou que os ataques a instalações médicas e as mortes de tantos profissionais médicos tornaram o acesso a cuidados de saúde no país extremamente difícil e, em algumas zonas, completamente impossível.

"À medida que as baixas civis aumentam, o número de instalações e pessoal médico diminui, limitando ainda mais o acesso a cuidados médicos", disse.

O especialista denunciou por outro lado ataques a outras infraestruturas essenciais à vida civil, como mercados, escolas e padarias.

"A cada ataque, os sobreviventes ficam mais vulneráveis", disse, acrescentando que "escolas, hospitais, mesquitas, depósitos de água... está tudo a ser transformado em ruínas".

O conflito armado na Síria, iniciado em março de 2011, já fez mais de 280.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados, segundo a ONU.

Paulo Pinheiro referiu por outro lado que a comissão está a investigar alegações segundo as quais a Frente al-Nosra e "outros grupos ligados à Al-Qaida", "recrutaram centenas de crianças menores de 15 em Idleb", no noroeste da Síria.

Lusa

  • Presidente do Conselho Europeu admite divergências com Trump

    Mundo

    O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, admitiu hoje que a reunião mantida em Bruxelas com o presidente norte-americano, Donald Trump, permitiu constatar pontos de concordância em várias áreas, mas também de discordância noutras, como clima, comércio e Rússia."

  • Mourinho volta a conquistar a Europa

    Liga Europa

    O Manchester United conquistou esta quarta-feira a Liga Europa pela primeira vez. Este foi o quarto título europeu para Mourinho, depois das conquistas da Taça UEFA, em 2002/03, e da Liga dos Campeões, em 2003/04 e 2009/10.

  • Mexicana vence ultramaratona a correr de sandálias e de saia

    Desporto

    Uma mexicana venceu uma ultramaratona de 50 quilómetros a correr de saia e sandálias de borracha. María Lorena Ramírez, de 22 anos, não é atleta profissional, nem recebeu treino específico para a Ultra Trail Cerro Rojo, prova que venceu, mas pertence à tribo Tarahumara, com uma longa e invulgar tradição de excelentes corredores.

    SIC

  • Marcelo diz que a Europa precisa de paixão
    2:36
  • Protestos e violência no Rio de Janeiro
    1:08