sicnot

Perfil

Mundo

Manifestações violentas em Pretoria a montante das municipais sul-africanas

Veículos foram hoje incendiados e ruas bloqueadas com pneus a arder na capital executiva sul-africana, Pretoria, em protesto contra a nomeação de um candidato à câmara para as eleições locais, relatou a agência France Presse.

© Siphiwe Sibeko / Reuters

Os incidentes iniciaram-se na segunda-feira após a publicação dos nomes dos candidatos do partido no poder, o Congresso Nacional Africano (ANC, na sigla em inglês), para as eleições municipais de 03 de agosto.

Habitantes de Pretoria descontentes com o candidato à câmara nomeado pelo ANC, Thoko Didiza, saíram à rua para se manifestarem. Preferiam a recondução do atual autarca, Kgosientso Ramokgopa.

Um fotógrafo da AFP viu hoje um camião e um autocarro em fogo na localidade de Attridgeville, situada nos subúrbios a oeste de Pretoria. Segundo media locais, vários autocarros foram também incendiados na zona de Tsgwane.

A principal autoestrada do país, a N1, foi parcialmente fechada quando manifestantes começaram a atirar pedras contra os veículos.

A polícia recusou fazer comentários sobre os danos, mas disse estar a investigar um assassinato e a destruição de bens. Segundo media locais, um apoiante do ANC foi ferido a tiro no domingo e morreu.

O secretário-geral do ANC, Gwede Mantashe, considerou que os incidentes não estão ligados à escolha do partido, afirmando tratar-se puramente de "violência" e não de política.

O ANC controla a vida política sul-africana desde a queda do regime segregacionista do 'apartheid' em 1994, mas o partido de Nelson Mandela poderá sofrer algumas deceções nas municipais, enquanto o presidente Jacob Zuma, presidente do ANC, vem acumulando reveses.

Lusa

  • Younes Abouyaaqoub, o homem mais procurado de Espanha
    1:53
  • Vila de Gavião viu-se cercada pelas chamas
    2:17
  • Telemóveis pessoais foram alternativa ao SIRESP no Sardoal
    1:20

    País

    O presidente da Câmara Municipal do Sardoal disse hoje que a rede SIRESP voltou a falhar durante os últimos cinco dias. Miguel Borges acrescentou que os operacionais no terreno recorreram várias vezes aos seus telemóveis particulares para comunicar.

  • Costa desafia PSD para pacto depois das autárquicas
    1:14