sicnot

Perfil

Mundo

OMS lança campanha de vacinação para deter surto de febre-amarela

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que vai lançar uma campanha de vacinação de emergência em Angola e na República Democrática do Congo (RDCongo) para deter o surto de febre-amarela na região.

© Mohamed Nureldin Abdallah / R

De acordo com um comunicado da OMS, como o surto de febre-amarela continua na região, a agência da ONU vai lançar uma campanha de vacinação de emergência na RDCongo, na fronteira de Angola e na capital congolesa, Kinshasa, para deter a epidemia e o risco de propagação internacional.

A fase inicial da campanha inicia-se em julho e irá concentrar-se em distritos com alta circulação de pessoas e atividades comerciais intensas, especialmente em distritos na fronteira norte de Angola e em distritos que fazem fronteira com países vizinhos.

Especificamente, entre 75 a 100 quilómetros de distância da fronteira entre Angola e a RDCongo, tendo também como alvo as zonas/comunidades em risco na cidade de Kinshasa. Isto irá criar uma área "tampão" imune para impedir a propagação internacional.

Até agora, mais de 15 milhões de doses de vacina foram entregues à Angola e à RDCongo. No entanto, a necessidade urgente de acelerar as campanhas de vacinação e à falta de fundos suficientes para as atividades operacionais de campo, continuam a ser um desafio em Angola e na República Democrática do Congo.

Angola e RDCongo estão a ser apoiados pela OMS e outros parceiros para fortalecer a triagem da febre-amarela nos principais pontos de entrada, incluindo Luanda, Kinshasa, Lubumbashi e Matadi. A vacinação está a ser oferecida nesses pontos de entrada para os viajantes elegíveis.

Desde de 13 junho de 2016, em três países - China, Quénia e República Democrática do Congo - foram relatados casos ligados ao surto de Angola.

As autoridades de saúde angolanas vacinaram perto de metade da população contra a febre-amarela em quatro meses, tentando desta forma travar a propagação da doença, que desde 5 de dezembro já provocou 345 mortos no país e infetou quase 3.200 pessoas.

A informação consta de um relatório da OMS, segundo o qual 10.641.209 pessoas foram vacinadas no país contra a doença, até 10 de junho.

Na RDCongo, segundo o Ministério da Saúde, ocorreram cinco casos fatais e há ainda mais de mil casos suspeitos.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.