sicnot

Perfil

Mundo

OMS lança campanha de vacinação para deter surto de febre-amarela

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que vai lançar uma campanha de vacinação de emergência em Angola e na República Democrática do Congo (RDCongo) para deter o surto de febre-amarela na região.

© Mohamed Nureldin Abdallah / R

De acordo com um comunicado da OMS, como o surto de febre-amarela continua na região, a agência da ONU vai lançar uma campanha de vacinação de emergência na RDCongo, na fronteira de Angola e na capital congolesa, Kinshasa, para deter a epidemia e o risco de propagação internacional.

A fase inicial da campanha inicia-se em julho e irá concentrar-se em distritos com alta circulação de pessoas e atividades comerciais intensas, especialmente em distritos na fronteira norte de Angola e em distritos que fazem fronteira com países vizinhos.

Especificamente, entre 75 a 100 quilómetros de distância da fronteira entre Angola e a RDCongo, tendo também como alvo as zonas/comunidades em risco na cidade de Kinshasa. Isto irá criar uma área "tampão" imune para impedir a propagação internacional.

Até agora, mais de 15 milhões de doses de vacina foram entregues à Angola e à RDCongo. No entanto, a necessidade urgente de acelerar as campanhas de vacinação e à falta de fundos suficientes para as atividades operacionais de campo, continuam a ser um desafio em Angola e na República Democrática do Congo.

Angola e RDCongo estão a ser apoiados pela OMS e outros parceiros para fortalecer a triagem da febre-amarela nos principais pontos de entrada, incluindo Luanda, Kinshasa, Lubumbashi e Matadi. A vacinação está a ser oferecida nesses pontos de entrada para os viajantes elegíveis.

Desde de 13 junho de 2016, em três países - China, Quénia e República Democrática do Congo - foram relatados casos ligados ao surto de Angola.

As autoridades de saúde angolanas vacinaram perto de metade da população contra a febre-amarela em quatro meses, tentando desta forma travar a propagação da doença, que desde 5 de dezembro já provocou 345 mortos no país e infetou quase 3.200 pessoas.

A informação consta de um relatório da OMS, segundo o qual 10.641.209 pessoas foram vacinadas no país contra a doença, até 10 de junho.

Na RDCongo, segundo o Ministério da Saúde, ocorreram cinco casos fatais e há ainda mais de mil casos suspeitos.

Lusa

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08