sicnot

Perfil

Mundo

ONU "condena veementemente" lançamento de mísseis pela Coreia do Norte

O Conselho de Segurança da ONU repreendeu hoje a Coreia do Norte pelos seus mais recentes testes de mísseis, condenando aquilo que classificou como "graves violações" de uma série de resoluções emitidas.

© KCNA KCNA / Reuters

O Conselho instou os Estados-membros a aumentarem as sanções impostas à Coreia do Norte no início deste ano, depois de o país ter realizado um quarto teste nuclear e o lançamento de um 'rocket' de longo alcance.

"Os membros do Conselho de Segurança lamentam todas as atividades de mísseis balísticos da República Popular Democrática da Coreia (DPRK), sublinhando que tais atividades contribuem para o desenvolvimento pela DPRK de sistemas de lançamento de armas nucleares e para aumentar a tensão", declarou o Conselho de Segurança em comunicado.

Na quarta-feira, o presidente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o embaixador francês François Delattre, classificou os mais recentes disparos de mísseis balísticos norte-coreanos como "uma violação flagrante e inaceitável das resoluções do Conselho de Segurança" e o programa balístico de Pyongyang como "uma grave ameaça à paz e à segurança regional e internacional".

A Coreia do Norte disparou na quarta-feira dois poderosos mísseis de médio alcance que parecem ter voado distâncias claramente maiores que nos anteriores lançamentos mal sucedidos, de acordo com o ministério da Defesa sul-coreano.

Várias resoluções do Conselho de Segurança proíbem à Coreia do Norte qualquer atividade nuclear ou balística.

Após o quarto ensaio nuclear norte-coreano, a 06 de janeiro, seguido, a 07 de fevereiro, do lançamento de um 'rocket', amplamente considerado o ensaio disfarçado de um míssil de longo alcance, o Conselho de Segurança da ONU adotou as sanções mais pesadas alguma vez infligidas a Pyongyang.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.