sicnot

Perfil

Mundo

Camionista preso por impedir passagem de caravana do presidente do Zimbabué

Um camionista zimbabueano foi condenado a dois anos de prisão por ter impedido a passagem da caravana do presidente Robert Mugabe na capital Harare, informou hoje um diário local.

1980 - O dirigente negro da Rodésia Robert Mugabe vence as eleições que conduzirão o país à independência sob o nome de Zimbabué.

1980 - O dirigente negro da Rodésia Robert Mugabe vence as eleições que conduzirão o país à independência sob o nome de Zimbabué.

(Reuters/ Arquivo)

Segundo o jornal privado NewsDay, Joseph Chakanetsa foi condenado na quinta-feira pelo tribunal de Harare por condução negligente, pois não deixou passar no sábado a escolta de Mugabe que acompanhava o presidente até casa. Fica ainda impedido para sempre de conduzir um camião.

Chakanetsa "foi condenado após se ter declarado culpado", refere o jornal, adiantando que o motorista declarou ao tribunal não ter percebido que se tratava da escolta presidencial atrás do seu camião.

"Ele declarou que o barulho do camião o impediu de ouvir as sirenes da polícia. E quando percebeu que estava no meio da caravana presidencial, ele literalmente perdeu a cabeça", indica o NewsDay.

O motorista foi detido a 10 quilómetros de distância, depois de ter tentado fugir passando vários sinais vermelhos e utilizando ruas de sentido proibido.

O presidente Mugabe desloca-se com uma caravana de 10 viaturas e motos e os condutores que perturbam a escolta arriscam a prisão ou serem espancados pelos seus serviços de segurança.

Lusa

  • Pescador desaparecido no rio Minho, em Alvaredo, Melgaço

    País

    O pescador desapareceu na noite deste sábado no rio Minho, em Alvaredo, no concelho de Melgaço, distrito de Viana do Castelo. Segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil estão envolvidos nas buscas 15 operacionais e quatro viaturas.

  • Portugal vai testar capacidade de resposta a ciberataque
    0:22

    País

    O exercício está marcado para os dias 09 e 10 de maio e é o primeiro a nível nacional a testar um ciberataque em Portugal. O teste é organizado pelo Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) para apurar "o "grau de preparação" das várias entidades públicas e privadas, mas já conclusões a ter em conta. Segundo o coordenador do CNCS, Pedro Veiga confirma-se tendência para os ataques serem cada vez mais sofisticados e é preciso alertar a população para o que publicam na internet e se pode colocar em risco a privacidade e a segurança.