sicnot

Perfil

Mundo

Camionista preso por impedir passagem de caravana do presidente do Zimbabué

Um camionista zimbabueano foi condenado a dois anos de prisão por ter impedido a passagem da caravana do presidente Robert Mugabe na capital Harare, informou hoje um diário local.

1980 - O dirigente negro da Rodésia Robert Mugabe vence as eleições que conduzirão o país à independência sob o nome de Zimbabué.

1980 - O dirigente negro da Rodésia Robert Mugabe vence as eleições que conduzirão o país à independência sob o nome de Zimbabué.

(Reuters/ Arquivo)

Segundo o jornal privado NewsDay, Joseph Chakanetsa foi condenado na quinta-feira pelo tribunal de Harare por condução negligente, pois não deixou passar no sábado a escolta de Mugabe que acompanhava o presidente até casa. Fica ainda impedido para sempre de conduzir um camião.

Chakanetsa "foi condenado após se ter declarado culpado", refere o jornal, adiantando que o motorista declarou ao tribunal não ter percebido que se tratava da escolta presidencial atrás do seu camião.

"Ele declarou que o barulho do camião o impediu de ouvir as sirenes da polícia. E quando percebeu que estava no meio da caravana presidencial, ele literalmente perdeu a cabeça", indica o NewsDay.

O motorista foi detido a 10 quilómetros de distância, depois de ter tentado fugir passando vários sinais vermelhos e utilizando ruas de sentido proibido.

O presidente Mugabe desloca-se com uma caravana de 10 viaturas e motos e os condutores que perturbam a escolta arriscam a prisão ou serem espancados pelos seus serviços de segurança.

Lusa

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.