sicnot

Perfil

Mundo

Benjamin Netanyahu anuncia acordo entre Israel e a Turquia

O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu confirmou hoje em Roma um acordo com a Turquia no sentido de normalizar as relações entre os dois países, após seis anos de atritos.

© Tony Gentile / Reuters

"Creio que este é um passo importante para normalizar as nossas relações", disse Netanyahu aos jornalistas, após um encontro com o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, na capital italiana.

O primeiro-ministro israelita acrescentou que o acordo pode vir a ter "grandes consequências" para a economia de Israel.

Um responsável israelita anunciou no domingo que Israel e a Turquia preparavam um acordo para a normalização de relações, após seis anos de atritos e que foram provocados pelo ataque militar contra um navio turco que transportava ajuda humanitária para os palestinianos em Gaza.

Na conferência de imprensa, em Roma, Netanyahu acrescentou que os detalhes do acordo vão ser anunciados mais tarde, mas assinalou as grandes e positiva vantagens, sobretudo do ponto de vista económico.

Israel, que deve começar em breve a exploração das reservas de gás no Mediterrâneo, procura oportunidades para vender o produto, na região.

Questionado sobre o acordo, John Kerry disse que se trata de "um passo positivo" entre Israel e a Turquia.


Lusa

  • Chuva, vento, granizo e neve em 13 distritos
    1:42

    País

    Treze distritos do continente estão sob aviso amarelo de mau tempo, com previsão de chuva, granizo e neve. O vento forte também se faz sentir nos distritos de Beja, Faro e Setúbal.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.