sicnot

Perfil

Mundo

Atos racistas e xenófobos aumentam no Reino Unido

A sede da comunidade polaca em Londres foi pintada com a inscrição "vão-se embora", aumentando os receios dos emigrantes, que sentem que estão a ser alvo de ataques racistas e xenófobos na sequência do triunfo do 'Brexit'.

Reuters

"Este sentimento é uma mistura entre o desgosto e o medo. Nós temos o centro a funcionar desde 1962 e nunca tivemos de nos confrontar com atos de racismo", disse hoje à agência France Press Joanna Ciechanowska, diretora da galeria que funciona no interior das instalações do Polish Social and Cultural Association (POSK), na zona de Hammersmith, em Londres.

A responsável pelo centro da comunidade polaca em Londres aponta como causa as mensagens que foram utilizadas durante a campanha do referendo que decidiu a saída do Reino Unido da União Europeia ('Brexit').

"É muito preocupante. Ouço amigos que viajam de comboio e que dizem que as pessoas que se sentam ao lado, de um momento para o outro, lhes dizem diretamenete: 'façam as malas e vão-se embora. Se as pessoas que tinham um grão de agressividade dentro delas, o referendo fez com que tudo saísse cá para fora", relatou Ciechanowska.

Para outro elemento do centro polaco de Hammersmith, "o resultado do referendo parece que concedeu autorização às pessoas para expressarem racismo e xenofobia".

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, que anunciou a demissão em outubro na sequência do 'Brexit', já criticou "a série de reprováveis" incidentes que se seguiram à decisão sobre o abandono do Reino Unido da União Europeia.

"Nos últimos dias, temos visto inscrições lamentáveis que atingem o centro comunitário polaco e elementos de minorias étnicas têm sido avo de insultos verbais", disse Cameron.

O primeiro-ministro demissionário afirmou também que é preciso ter presente que os membros das minorias estão no Reino Unido tendo contribuído de forma muito importante para a sociedade britânica.

"Não vamos apoiar os crimes e o ódio ou qualquer tipo de ataques do género, que devem terminar", concluiu Cameron.

A embaixada da Polónia já manifestou "choque e preocupação" sobre os incidentes e "abusos" contra a comunidade polaca no Reino Unido.

Uma série de autocolantes com a frase "Deixem a União Europeia: não queremos aqui a bicharada polaca" foram espalhados na zona onde se concentra a comunidade em Huntingdon, perto de Cambridge, no passado sábado.

"Nós estamos a levar o assunto de forma muito séria, porque se trata de um crime de ódio", disse à agência noticosa AFP Nick Percival, da polícia de Cambridgeshire.

Uma série de outros incidentes registam-se nas redes sociais, através da Internet.

O chefe do Conselho Nacional da Polícia disse que se registaram 85 casos de crimes de ódio através da Internet entre quinta-feira e sábado da semana passada, correspondendo a um aumento de 57 por cento, comparado com o que se verificou no mês de maio.

O presidente da Câmara de Londres, Sadiq Khan, disse na segunda-feira que colocou a polícia municipal em alerta, em virtude dos incidentes que se têm verificado.

Khan sublinhou que encara com "seriedade e responsabilidade" a defesa da "fantástica mistura de pessoas, a diversidade e a tolerância".

John O'Connell, do grupo anti-racista Far Rigt Watch disse que foram detetados mais de noventa incidentes nos últimos três dias, que incluem insultos verbais e agressões físicas.

O ministro das Finanças, George Osborne, apelou à unidade e à "presença de espírito" e pediu aos britânicos para condenarem divisões radicais, "onde quer que seja".

Sayeeda Warsi, política conservadora que mudou de opinião a meio da campanha e votou pela manutenção do Reino Unido na União Europeia, tem também criticado abertamente os incidentes xenófobos dos últimos dias.

"Eu passei o último fim-de-semana em contacto com organizações, pessoas e ativistas que estão atentos em relação aos crimes de ódio e que relatam situações preocupantes. Encontram pessoas na rua que lhes dizem: 'Nós votamos pelo 'Brexit', por isso, chegou a hora de vocês se irem embora'", relata Sayeeda Warsi à Sky News.

O jornal The Sun, assumido apoiante do 'Brexit' tem estado a ser alvo de críticas, depois de ter publicado o título: "As ruas estão cheias de lojas polacas, de miúdos que não falam inglês (...), mas agora as bandeiras britânicas foram hasteadas, outra vez".

Shashank Joshi, membro do think-tank RUSI, disse que o artigo do "é totalmente vil" e acusou o The Sun de responsabilidade pelos incidentes e ataques que se têm registado no Reino Unido.

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59