sicnot

Perfil

Mundo

Atos racistas e xenófobos aumentam no Reino Unido

A sede da comunidade polaca em Londres foi pintada com a inscrição "vão-se embora", aumentando os receios dos emigrantes, que sentem que estão a ser alvo de ataques racistas e xenófobos na sequência do triunfo do 'Brexit'.

Reuters

"Este sentimento é uma mistura entre o desgosto e o medo. Nós temos o centro a funcionar desde 1962 e nunca tivemos de nos confrontar com atos de racismo", disse hoje à agência France Press Joanna Ciechanowska, diretora da galeria que funciona no interior das instalações do Polish Social and Cultural Association (POSK), na zona de Hammersmith, em Londres.

A responsável pelo centro da comunidade polaca em Londres aponta como causa as mensagens que foram utilizadas durante a campanha do referendo que decidiu a saída do Reino Unido da União Europeia ('Brexit').

"É muito preocupante. Ouço amigos que viajam de comboio e que dizem que as pessoas que se sentam ao lado, de um momento para o outro, lhes dizem diretamenete: 'façam as malas e vão-se embora. Se as pessoas que tinham um grão de agressividade dentro delas, o referendo fez com que tudo saísse cá para fora", relatou Ciechanowska.

Para outro elemento do centro polaco de Hammersmith, "o resultado do referendo parece que concedeu autorização às pessoas para expressarem racismo e xenofobia".

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, que anunciou a demissão em outubro na sequência do 'Brexit', já criticou "a série de reprováveis" incidentes que se seguiram à decisão sobre o abandono do Reino Unido da União Europeia.

"Nos últimos dias, temos visto inscrições lamentáveis que atingem o centro comunitário polaco e elementos de minorias étnicas têm sido avo de insultos verbais", disse Cameron.

O primeiro-ministro demissionário afirmou também que é preciso ter presente que os membros das minorias estão no Reino Unido tendo contribuído de forma muito importante para a sociedade britânica.

"Não vamos apoiar os crimes e o ódio ou qualquer tipo de ataques do género, que devem terminar", concluiu Cameron.

A embaixada da Polónia já manifestou "choque e preocupação" sobre os incidentes e "abusos" contra a comunidade polaca no Reino Unido.

Uma série de autocolantes com a frase "Deixem a União Europeia: não queremos aqui a bicharada polaca" foram espalhados na zona onde se concentra a comunidade em Huntingdon, perto de Cambridge, no passado sábado.

"Nós estamos a levar o assunto de forma muito séria, porque se trata de um crime de ódio", disse à agência noticosa AFP Nick Percival, da polícia de Cambridgeshire.

Uma série de outros incidentes registam-se nas redes sociais, através da Internet.

O chefe do Conselho Nacional da Polícia disse que se registaram 85 casos de crimes de ódio através da Internet entre quinta-feira e sábado da semana passada, correspondendo a um aumento de 57 por cento, comparado com o que se verificou no mês de maio.

O presidente da Câmara de Londres, Sadiq Khan, disse na segunda-feira que colocou a polícia municipal em alerta, em virtude dos incidentes que se têm verificado.

Khan sublinhou que encara com "seriedade e responsabilidade" a defesa da "fantástica mistura de pessoas, a diversidade e a tolerância".

John O'Connell, do grupo anti-racista Far Rigt Watch disse que foram detetados mais de noventa incidentes nos últimos três dias, que incluem insultos verbais e agressões físicas.

O ministro das Finanças, George Osborne, apelou à unidade e à "presença de espírito" e pediu aos britânicos para condenarem divisões radicais, "onde quer que seja".

Sayeeda Warsi, política conservadora que mudou de opinião a meio da campanha e votou pela manutenção do Reino Unido na União Europeia, tem também criticado abertamente os incidentes xenófobos dos últimos dias.

"Eu passei o último fim-de-semana em contacto com organizações, pessoas e ativistas que estão atentos em relação aos crimes de ódio e que relatam situações preocupantes. Encontram pessoas na rua que lhes dizem: 'Nós votamos pelo 'Brexit', por isso, chegou a hora de vocês se irem embora'", relata Sayeeda Warsi à Sky News.

O jornal The Sun, assumido apoiante do 'Brexit' tem estado a ser alvo de críticas, depois de ter publicado o título: "As ruas estão cheias de lojas polacas, de miúdos que não falam inglês (...), mas agora as bandeiras britânicas foram hasteadas, outra vez".

Shashank Joshi, membro do think-tank RUSI, disse que o artigo do "é totalmente vil" e acusou o The Sun de responsabilidade pelos incidentes e ataques que se têm registado no Reino Unido.

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.

  • O edifício mais longo do mundo

    Mundo

    Se pensa que já viu tudo em relação aos edifícios mais longos e complexos do mundo, pense duas vezes. O edifício mais longo do mundo pode estar prestes a chegar e promete fazer de Nova Iorque uma cidade ainda mais atrativa.