sicnot

Perfil

Mundo

Governo e Renamo aguardam resposta dos mediadores das negociações de paz

O Governo moçambicano e a Renamo, principal partido de oposição, disseram hoje que aguardam resposta da União Europeia (UE), Igreja Católica e África do Sul aos convites endereçados às três entidades para mediarem as negociações de paz em Moçambique.

© Carlo Allegri / Reuters

"Ainda não tivemos a reação das entidades convidadas para mediarem as negociações, mas sabemos que mostraram abertura", afirmou, à imprensa, José Manteigas, que falou em nome das delegações do Governo e da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), no final de mais uma ronda negocial para o fim da crise política e militar em Moçambique, na presença dos membros das duas equipas.

Manteigas, deputado da Renamo, adiantou que na sessão de hoje as duas delegações chegaram a consenso sobre os termos de referência da participação dos mediadores nas negociações, mas remeteu a divulgação de pormenores sobre esse entendimento para quando os mediadores começarem a participar no processo negocial.

Ainda na sessão de hoje, prosseguiu José Manteigas, as equipas do Executivo e do principal partido de oposição chegaram a entendimento sobre a metodologia de integração dos seis novos membros indicados para as negociações, três para cada uma das delegações.

Filipe Nyusi e Afonso Dhlakama anunciaram este mês terem chegado, por telefone, a um consenso sobre a participação de mediadores internacionais nas negociações para o fim dos confrontos entre as forças de defesa e segurança moçambicanas e o braço armado da Renamo.

Apesar de as duas partes terem reatado as negociações, os ataques de supostos homens armados da Renamo a veículos civis e militares em vários troços do centro do país não têm cessado e o movimento acusa as forças de defesa e segurança de intensificarem os bombardeamentos na serra da Gorongosa, onde se encontra refugiado o líder do principal partido de oposição, Afonso Dhlakama.

O principal partido de oposição recusa-se a aceitar os resultados das eleições gerais de 2014, ameaçando governar em seis províncias onde reivindica vitória no escrutínio.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.