sicnot

Perfil

Mundo

EUA matam por lapso 116 pessoas em países onde não estão em guerra

O Governo norte-americano confirmou, esta sexta-feira, que os EUA mataram por lapso 116 pessoas em países onde não estão em guerra. Estes números divulgados pelo diretor da Agência de Inteligência norte-americana são no entanto mais baixos do que os que tem estado a ser avançados pelas organizações não-governamentais.

MARK LENNIHAN

Ataques aéreos realizados por drones norte-americanos mataram cerca de 116 civis e 2.581 combatentes fora do Iraque, Afeganistão e Síria, desde 2009, informaram os serviços de informações dos Estados Unidos.

O diretor nacional do serviço de informações dos Estados Unidos, James Clapper, publicou estimativas em relação às mortes em 473 ataques, entre 1 de janeiro de 2009 e o final de 2015, num relatório sobre os ataques aéreos norte-americanos com recurso a aviões e 'drones'.

Esta foi a primeira vez que a administração do presidente Barack Obama publicou um resumo das vítimas dos seus ataques fora de zonas de guerra "ativas".

Esta publicação dá-se depois de vários grupos de direitos humanos e meios de comunicação terem exigido uma melhor contabilização dos números de vítimas.

Os críticos têm, desde há muito tempo, falado sobre os ataques aéreos e sobre o facto de estes matarem muito mais civis do que a administração Obama admite, e a publicação deste relatório não deve mudar essa narrativa.

"Os dados divulgados hoje devem ser considerados à luz das limitações inerentes à capacidade de determinar o número preciso de mortes de combatentes e de não-combatentes" afirmou James Clapper, em comunicado.

A Casa Branca lançou, entretanto, uma ordem executiva que fornece informações adicionais sobre práticas e procedimentos que podem ser aplicadas aos ataques aéreos, independentemente do local onde são realizados.

"Os Estados Unidos devem manter e promover melhores práticas para reduzir a probabilidade de vítimas civis, tomar medidas adequadas quando essas fatalidades ocorrem e retirar lições das nossas operações para melhorar a proteção de civis", afirmou Obama na sua ordem executiva.

com Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC