sicnot

Perfil

Mundo

Morreu Michel Rocard, fervoroso defensor da União Europeia

O antigo primeiro-ministro socialista francês da Presidência de François Miterrand, Michel Rocard, morreu hoje aos 85 anos.

© Charles Platiau / Reuters

Michel Rocard foi primeiro-ministro de Miterrand entre 1988 e 1991, após a reeleição do Presidente socialista para um segundo mandato.

Rocard assinou os Acordos de Matignon, que puseram um fim aos problemas com a Nova Caledónia, aceitando a auto-determinação deste território francês no Pacífico.

Michel Rocard nasceu em 1930 em Courbevoie (subúrbio a oeste de Paris) e tornou-se militante socialista aos 19 anos, primeiro no Partido Socialista Unificado (PSU) e depois, a partir de 1974, no Partido Socialista.

Em maio de 1988 tornou-se no primeiro-ministro de Miterrand, com quem manteve grandes divergências pela sua visão mais de esquerda.

Rocard chefiou o partido durante uns meses, entre 1993 e 1994, ano em que rumou a Bruxelas como eurodeputado no Parlamento Europeu, uma função que exerceu até 2009.

Europeísta ferrenho, na sua última entrevista, há apenas duas semanas, defendia no semanário Le Point o Brexit, já que entendia que assim a União Europeia se livrava do entrave para a sua integração, protagonizado pelo Reino Unido.

O Presidente francês, François Hollande, já prestou homenagem ao ex-primeiro-ministro que disse ser uma "grande figura da República e da esquerda".

Manuel Valls, o primeiro-ministro francês, também elogiou a figura do histórico dirigente socialista, afirmando que lhe deve o seu envolvimento na política.

"Entrei para a política por e para Michel Rocard. Porque ele disse em 1978 que o fracasso da esquerda não era o destino. Porque disse antes de outros que a mudança passa pela reforma e não pela rotura", disse o primeiro-ministro em comunicado.

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14