sicnot

Perfil

Mundo

Corbyn pede desculpa por guerra no Iraque em nome dos trabalhistas britânicos

O líder trabalhista Jeremy Corbyn pediu hoje desculpa pela guerra no Iraque em nome do Partido Trabalhista britânico, numa breve declaração após a divulgação de um relatório sobre o envolvimento do Reino Unido no conflito de 2003.

© Neil Hall / Reuters

O relatório Chilcot sobre o envolvimento do Reino Unido na Guerra do Iraque de 2003, publicado hoje, critica o então primeiro-ministro britânico, o trabalhista Tony Blair (1997-2007), por implicar o país num conflito mal planeado, mal executado e legalmente questionável.

"Hoje quero pedir desculpa em nome do meu partido pela decisão desastrosa de avançar para a guerra no Iraque", disse Jeremy Corbyn, um pacifista convicto que votou contra a invasão do Iraque em 2003.

Numa declaração na Câmara dos Comuns (câmara baixa do Parlamento britânico), o primeiro-ministro britânico demissionário, o conservador David Cameron, afirmou hoje que todos os partidos, incluindo o Partido Conservador, e todos os deputados que apoiaram a guerra contra o Iraque têm de assumir a respetiva parcela de responsabilidade.

"Todos os que votaram [na Câmara dos Comuns] a favor de atacar o Iraque devem assumir a sua justa parte de responsabilidade", afirmou Cameron.

"Não podemos voltar atrás, mas podemos garantir que lições serão aprendidas e agir", acrescentou.

O relatório da comissão Chilcot critica duramente as decisões tomadas pelo ex-primeiro-ministro trabalhista em relação à guerra do Iraque, na qual morreram 179 soldados britânicos e dezenas de milhares de iraquianos.

A alegada posse pelo regime iraquiano de armas de destruição maciça, nunca comprovada, foi a principal justificação para a participação do Reino Unido na invasão do Iraque, em março de 2003, quando Tony Blair liderava o governo britânico.

Chilcot, cuja comissão foi criada há sete anos para apurar os contornos do envolvimento britânico no conflito, concluiu que "o Reino Unido escolheu juntar-se à invasão do Iraque antes de esgotar as opções pacíficas para um desarmamento".

"A ação militar não era, na altura, o último recurso", disse o presidente da comissão, John Chilcot.

Numa conferência de imprensa realizada hoje, Tony Blair reagiu ao relatório, manifestando "pena, arrependimento e culpa".

Nas mesmas declarações, Blair afirmou no entanto que não enganou o Parlamento nem lamenta o afastamento do antigo líder iraquiano Saddam Hussein.

"Sinto mais pena, arrependimento e culpa do que poderão alguma vez saber ou acreditar", afirmou.

No entanto, acrescentou, "como o relatório deixa claro, não houve inverdades, o Parlamento e o Governo não foram enganados, não houve um compromisso secreto com a [decisão de] guerra".

Com uma longa carreira como diplomata, depois de ter sido conselheiro dos serviços secretos do Reino Unido, John Chilcot, de 77 anos, foi o nome escolhido para liderar e organizar uma comissão que tinha a missão de avaliar o papel britânico na guerra do Iraque, desde o início da invasão em março de 2003 até à retirada das tropas britânicas em maio de 2009.

O inquérito foi anunciado em junho de 2009 pelo então primeiro-ministro Gordon Brown (2007-2010), também um trabalhista.

Lusa

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.