sicnot

Perfil

Mundo

EUA nomeiam oito companhias aéreas para serviços regulares a Havana

As autoridades de transportes dos Estados Unidos designaram oito companhias aéreas para fazer serviços regulares para Havana, em Cuba, de forma a acabar com uma pausa de seis décadas.

Bandeiras cubanas frente à embaixada dos EUA em Havana.

Bandeiras cubanas frente à embaixada dos EUA em Havana.

© Alexandre Meneghini / Reuters

O departamento de transportes adiantou que as companhias aéreas propostas para o serviço vão partilhar 20 voos de ida e volta por dia, algo já aprovado pelos dois governos, de forma a ligar dez cidades norte-americanas a Havana.

"Restaurar o serviço aéreo leva a um tremendo potencial para reunir famílias cubano-americanas, a promoção da educação e oportunidades para as empresas americanas de todos as dimensões", acrescentou.

As companhias aéreas dos EUA que farão voos para Havana serão a Alaska Airlines, American Airlines, Delta Air Lines, Fontier Airlines, JetBlue Airways, Southwest Airlines, Spirit Airlines e United Airlines.

O acordo entre Cuba e os Estados Unidos permite às transportadoras cubanas 20 voos diários de ida e volta entre Havana e cidades dos EUA.

Seis das companhias aéreas americanas foram escolhidas em junho para servir outras cidades cubanas.

A julho de 2015 os Estados Unidos da América e Cuba restauraram as relações diplomáticas.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.