sicnot

Perfil

Mundo

Nova Gales do Sul é o primeiro Estado australiano a proibir corridas de galgos

O Estado australiano de Nova Gales do Sul vai proibir em 2017 as corridas de galgos, considerados os cães de raça mais rápidos do mundo, devido aos "maus tratos generalizados e sistemáticos aos animais", anunciou hoje o Governo estatal.

© Fabian Bimmer / Reuters (Arquivo)

Localizada no sudeste da Austrália, a Nova Gales do Sul, com cerca de 6.800 galgos de competição registados, torna-se na primeira região do país a proibir a atividade a partir de 1 de julho do próximo ano, depois de uma investigação oficial ter concluído que até 68.000 cães foram mortos nos últimos doze anos na Austrália, por serem lentos ou inaptos para as corridas.

Os galgos são principalmente utilizados para corridas e apostas, devido ao seu porte, considerado atlético e aerodinâmico.

A cadeia de televisão ABC concluiu, depois de um trabalho, que entre 10 a 12 porcento dos instrutores de cães do país são cúmplices de maus-tratos aos animais, ao mesmo tempo que o organismo Greyhound Racing, responsável pela organização das corridas, apresenta números falsos de mortes ou lesões de cães, mais baixos do que na realidade.

Lusa

  • Presidente da IPSS "O Sonho" garante que vai demitir-se
    0:57

    País

    A PJ de Setúbal fez esta sexta-feira buscas em três instituições de solidariedade social e em casas particulares ligadas à IPSS "O Sonho", por suspeitas de peculato de uso, fraude na obtenção de subsídios e falsificação de documentos. O presidente da associação nega as suspeitas e diz que está de "consciência tranquila". Florival Cardoso, que é o principal visado na investigação, fala sobre uma "caça às bruxas" e garante que vai demitir-se, porque considera que está a ser cometida uma "enorme injustiça".

  • "Situação humanitária dos civis em Ghouta é aterradora"
    0:49

    Mundo

    O enviado especial da ONU para a Síria lançou esta sexta-feira um novo apelo a um cessar-fogo. O responsável está particularmente preocupado com a situação da população civil e diz que é preciso evitar que se repita em Ghouta o que se passou em Alepo.

  • Instantes de uma noite de futebol europeu
    0:41
  • Não dá mais, Brasil!
    18:00