sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 25 mortos e 120 feridos em bombardeamentos em Alepo

Pelo menos 25 civis morreram e 120 ficaram feridos hoje durante bombardeamentos rebeldes em Alepo nas zonas controladas pelo regime, indicou o Observatório dos Direitos Humanos Sírio.

© Abdalrhman Ismail / Reuters

"Pelo menos 25 civis, entre os quais quatro crianças, foram mortos e 120 foram feridos por tiros de roquete disparados por rebeldes nas zonas controladas pelo regime em Alepo", disse o diretor do Observatório dos Direitos Humanos sírio, Rami Abdel Rahmane.

O ataque ocorreu horas antes do fim da trégua de 72 horas decretada por Damasco e que acaba às 24:00 de hoje (22:00 em Lisboa).

A agência noticiosa oficial Sana refere 20 mortos e 140 feridos "provocados por tiros de roquetes de grupos terroristas que violaram a trégua".

Dividida entre setores pró-regime (oeste) e setores rebeldes (este), a cidade de Alepo é um dos principais centros do conflito na Síria.

Segundo um correspondente da agência noticiosa AFP, a zona rebelde de Apelo também foi hoje bombardeada pelas forças do regime.

"Três civis foram mortos durante um bombardeamento aéreo" na zona rebelde", referiu o Observatório dos Direitos Humanos sírio.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.