sicnot

Perfil

Mundo

EUA mantêm apoio ao Afeganistão até concluírem missão antiterrorista

O secretário de Defesa norte-americano garantiu hoje em Cabul que manterá o apoio ao Afeganistão até concluir a missão em solo afegão, com 8.400 militares após o fim do mandato do Presidente, Barack Obama.

© Mohammad Ismail / Reuters

"Vamos continuar a trabalhar juntos para acabar a missão que começamos", disse à imprensa Ashton Carter, acompanhado do Presidente afegão, Ashraf Gani, durante uma visita surpresa ao país asiático.

Carter realçou que a sua visita, a terceira ao Afeganistão em menos de um ano e meio no cargo, é feita após o seu país ter tomado decisões importantes sobre a missão antiterrorista e de assistência a tropas afegãs.

"Primeiro, aumentar os poderes do general (John) Nicholson", disse referindo-se ao chefe das forças dos EUA no Afeganistão.

Os EUA decidiram também continuar com o seu apoio financeiro ao país asiático e "manter uma presença mais substancial de forças norte-americanas até 2017", afirmou o chefe do Pentágono.

Obama anunciou na semana passada que vai manter 8.400 dos atuais 9.800 militares no Afeganistão -- ou seja, a quase totalidade do exército - quando abandonar a Casa Branca no próximo mês de janeiro, em vez dos 5.500 inicialmente previstos.

O secretário de Defesa aterrou na base militar norte-americana de Bagram, a cerca de 60 quilómetros de Cabul, e foi depois até à capital afegã para reunir-se com o Presidente Gani e o chefe de governo afegão, Abdulá Abdulá.

A visita aconteceu depois dos líderes da NATO terem concordado no final da semana passada, em Varsóvia, manter em 2017 o mesmo volume de tropas - cerca de 12.000 - na sua missão de formação, aconselhamento e assistência às forças afegãs.

A aliança acordou também continuar o apoio financeiro de cerca de 5.000 milhões de dólares anuais até 2020 para as tropas do país asiático.

Desde que em 2014 terminou a missão de combate no Afeganistão, os talibãs ganharam força no país e controlam cerca de um terço do território afegão, segundo estimativas dos EUA.

Com Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.