sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte poderá vir a ter mísseis lançados a partir de submarinos

A Coreia do Norte poderá ter dentro de um ano um míssil balístico lançado a partir de submarinos, uma arma que aumentará significativamente a ameaça que representa o regime de Pyongyang, disse hoje um especialista norte-americano.

O reflexo da Torre Juche no rio Taedong numa manhã de nevoeiro na Coreia do Norte. O edifício tem 170 metros de altura.

O reflexo da Torre Juche no rio Taedong numa manhã de nevoeiro na Coreia do Norte. O edifício tem 170 metros de altura.

© Damir Sagolj / Reuters

Segundo Joseph Bermudez, especialista em Coreia do Norte que trabalha no instituto americano-coreano da Universidade John Hopkins, em Washington, o teste do míssil deve acontecer nos próximos 12 meses.

Pyongyang pode também estar a desenvolver um submarino capaz de lançar entre oito a 12 misseis, até 2020, acrescentou o responsável.

A Coreia do Norte fez desde 2014 uma série de ensaios para misseis lançados por submarinos, o último na semana passada.

A capacidade de lançar mísseis através de submarinos em vez de instalações fixas será para Washington e para os aliados regionais um "desafio" significativo, disse o especialista.

"A ameaça está num estado inicial mas com o tempo pode tornar-se numa ameaça significativa", acrescentou.

O clima de tensão existente na península coreana aumentou desde que a Coreia do Norte começou a fazer testes nucleares, o último deles (quarto) a 04 de janeiro.

Segundo especialistas o país também está a tentar desenvolver um míssil intercontinental capaz de lançar um ataque nuclear no continente americano.

Os Estados Unidos anunciaram na semana passada que iriam implementar um sistema avançado de defesa antimísseis na Coreia do Sul.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite