sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte poderá vir a ter mísseis lançados a partir de submarinos

A Coreia do Norte poderá ter dentro de um ano um míssil balístico lançado a partir de submarinos, uma arma que aumentará significativamente a ameaça que representa o regime de Pyongyang, disse hoje um especialista norte-americano.

O reflexo da Torre Juche no rio Taedong numa manhã de nevoeiro na Coreia do Norte. O edifício tem 170 metros de altura.

O reflexo da Torre Juche no rio Taedong numa manhã de nevoeiro na Coreia do Norte. O edifício tem 170 metros de altura.

© Damir Sagolj / Reuters

Segundo Joseph Bermudez, especialista em Coreia do Norte que trabalha no instituto americano-coreano da Universidade John Hopkins, em Washington, o teste do míssil deve acontecer nos próximos 12 meses.

Pyongyang pode também estar a desenvolver um submarino capaz de lançar entre oito a 12 misseis, até 2020, acrescentou o responsável.

A Coreia do Norte fez desde 2014 uma série de ensaios para misseis lançados por submarinos, o último na semana passada.

A capacidade de lançar mísseis através de submarinos em vez de instalações fixas será para Washington e para os aliados regionais um "desafio" significativo, disse o especialista.

"A ameaça está num estado inicial mas com o tempo pode tornar-se numa ameaça significativa", acrescentou.

O clima de tensão existente na península coreana aumentou desde que a Coreia do Norte começou a fazer testes nucleares, o último deles (quarto) a 04 de janeiro.

Segundo especialistas o país também está a tentar desenvolver um míssil intercontinental capaz de lançar um ataque nuclear no continente americano.

Os Estados Unidos anunciaram na semana passada que iriam implementar um sistema avançado de defesa antimísseis na Coreia do Sul.

Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35
  • Empate técnico a uma semana das eleições na Catalunha

    Mundo

    A sete dias das eleições regionais catalãs, várias sondagens publicadas hoje indicam que os partidos constitucionalistas estão à frente nas intenções de voto, mas os independentistas ganham em número de lugares, sem nenhum dos blocos ter maioria absoluta.