sicnot

Perfil

Mundo

Estado de emergência em França termina a 26 de julho

​O ministro francês da Justiça confirmou hoje que o estado de emergência decretado após os atentados extremistas em novembro de 2015 vai terminar no próximo dia 26 de julho e não vai ser renovado.

© Charles Platiau / Reuters

"Vamos sair do estado de emergência no final do mês", disse Jean-Jacques Urvoas, ministro da Justiça francês, numa entrevista à BFM TV.

A medida tinha sido prolongada pela terceira vez consecutiva no passado dia 19 de maio para garantir a segurança durante os jogos do Campeonato Europeu de Futebol, que decorreu entre 10 de junho e 10 de julho e a Volta à França em Bicicleta que começou no dia 2 de julho e termina no próximo dia 24.

As autoridades francesas já tinham demonstrado a intenção de reduzir o estado de emergência ao período estritamente necessário e, por isso, o último prolongamento foi de dois meses e não de três meses como nas ocasiões anteriores.

Durante a vigência da medida são aplicadas medidas de restrição à circulação de pessoas e de veículos, assim como são limitadas, por ordem administrativa, a certos indivíduos, os acessos a determinados locais que podem ser inclusivamente o local de residência.

Com Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.