sicnot

Perfil

Mundo

Tribunal de Cabinda arrasa acusação contra ativista Arão Tempo

​O tribunal de Cabinda arrasou a investigação do Ministério Público (MP) ao presidente do conselho provincial da Ordem dos Advogados de Angola, Arão Tempo, acusado de rebelião e de recrutar jornalistas estrangeiros para cobrirem uma manifestação.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

A Lusa noticiou, a 12 de julho, que aquele tribunal deixou cair a acusação, também de rebelião, a Arão Tempo, arquivando o processo por insuficiência de provas, o qual ainda lhe valeu dois meses de prisão preventiva, após 14 de março de 2015, quando foi detido em Cabinda.

"Não se evidencia ter havido incitamento à guerra civil, muito menos à rebelião" por parte do advogado e ativista de Cabinda, "na medida em que não bastam singelas e baratas afirmações, é necessário que se tragam à luz elementos essenciais do tipo legal incriminador referido, coisa de que no caso em concreto não foi cuidada", lê-se no despacho de arquivamento do processo pelo tribunal de Cabinda, com data de 11 de julho.

No despacho,ao qual a Lusa teve hoje acesso, o tribunal vai mais longe ao rejeitar a tese da acusação deduzida pelo MP, de que Arão Tempo - juntamente com o comerciante local Manuel Biongo -, estaria a recrutar jornalistas na República do Congo para cobrir a manifestação agendada para 14 de março de 2015 em Cabinda - que não se chegou a realizar -, que poderia terminar em confrontos, enquadrando o ato no crime de colaboração com estrangeiro para constranger o Estado angolano.

Além de sublinhar que não foram apresentadas provas sobre esse recrutamento ou sequer nomes, o tribunal de Cabinda coloca em causa que a mobilização de jornalistas para a cobertura de manifestações possa ser enquadrada neste tipo de crime, que é imputado a governos, associações ou instituição estrangeira ou seus intermediários.

"Entendemos que não, salvo melhor opinião, pois dois jornalistas nunca se confundiriam com qualquer dos referidos entes. Como intermediários, talvez, mas para o efeito tinham que estar necessariamente mandatados e credenciados, o que no caso em concreto não se evidencia, ninguém os divisou em lado algum", escreve o tribunal de Cabinda.

Igualmente recusado foi o exame ao telemóvel de Arão Tempo, que a acusação afirmava ter permitido detetar "mensagens com conteúdo estimulando a violência e a apelar ao ódio por si enviadas com dizeres 'A marcha será realizada amanhã. E que só poderá ser travada com a força das armas ou baionetas'".

Contudo, além de a autoria das mensagens não ser clara, o tribunal de Cabinda recorda que essa análise foi feita na ausência de um juiz ou de elementos do Ministério Público: "Ora, o exame a que foi submetido o telemóvel do coarguido em causa, tendo sido efetuado sem que observasse o referido princípio, julgámos não ser processualmente fiável e como tal inadmissível".

Na origem da acusação a Arão Tempo está o caso da manifestação, frustrada, contra a alegada má gestão e violação dos direitos humanos na província e que levou à condenação a seis anos de prisão, a 14 de setembro de 2015, pelo crime de rebelião, do José Marcos Mavungo, como pretenso organizador do protesto, classificado na condenação como uma ação violenta.

José Marcos Mavungo foi detido a 14 de março, dia da anunciada manifestação, tendo o mesmo acontecido com Arão Tempo, de 53 anos, representante em Cabinda da Ordem dos Advogados de Angola, e Manuel Biongo, de 58 anos.

Estes dois foram libertados em maio de 2015, sob termo de identidade, e só a 22 de outubro foram notificados da acusação do Ministério Público, enquanto José Marcos Mavungo permaneceu detido até 20 de maio último, data em que a condenação foi revogada pelo Tribunal Supremo angolano.

A acusação contra Arão Tempo e Manuel Biongo referia que ambos incorreram "na prática de um crime de colaboração com o estrangeiro para constranger o Estado angolano", na forma tentada, e em concurso com um crime de rebelião, conforme previsto na Lei dos Crimes Contra a Segurança do Estado.

Com Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.