sicnot

Perfil

Mundo

Erdogan exige a extradição de Gulen

Numa entrevista exclusiva que o Presidente da Turquia deu à televisão norte-americana CNN, no Palácio Presidencial de Istambul, o líder turco exigiu a extradição do clérigo Fethullah Gülen, que acusa de estar por detrás da tentativa de golpe de Estado da passada sexta-feira.

Recep Tayyip Erdoğan disse que o pedido de extradição do seu antigo aliado, agora inimigo número um, deve seguir nos próximos dias.

Em entrevista, o presidente da Turquia afirmou ainda que o povo turco quer ver reintroduzida a pena de morte - abolida há mais de uma década como condição de entrada na União Europeia - porque pretende ver mortos os responsáveis pela tentativa de golpe de Estado.

Apesar dos avisos da UE, Erdogan não recua na sua decisão que poderá comprometer a tentativa de integração do Estado turco no grupo dos 28.

O chefe de Estado não descarta a hipótese de reintroduzir a pena capital no país, como ainda diz que se o Parlamento decidir em conformidade, aprovará a decisão.

A tentativa de golpe de Estado falhada na Turquia já fez mais de 300 mortos e já levou à detenção de 7.500 pessoas.

  • "Não conheço nenhuma situação de um golpe de Estado em que no próprio dia haja 6 mil presos"
    2:40

    Miguel Sousa Tavares

    Depois da tentativa de golpe de Estado na Turquia quase três mil militares e 2.700 juízes e funcionários judiciais foram detidos. O Presidente Erdogan já disse que quer o regresso da pena de morte. Miguel Sousa Tavares afirma que não conhece "nenhuma situação de um golpe de Estado em que no próprio dia haja 6 mil presos". O comentador da SIC vai longe e diz que "Erdogan criou muitos problemas para a Turquia e está numa situação de fuga em frente".

  • "Há coisas estranhas neste golpe"
    8:05

    Opinião

    Rui Machete considera que a tentativa de golpe de Estado na Turquia veio reforçar o poder do Presidente Erdogan. O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros diz que a maneira como o golpe se desenrolou é estranha, e que é preocupante que um chefe de Estado tenha incitado as massas populares a ir para a rua. O social-democrata acrescenta ainda que o golpe é um sintoma de divisão de opiniões perante aquele sistema político.

  • Erdogan promete respeitar a lei nos julgamentos dos revoltosos
    2:18

    Mundo

    A Turquia já respondeu aos avisos europeus e dos Estados Unidos. Comprometeu-se a respeitar a lei no julgamento dos rebeldes que tentaram tomar o poder. No fim de semana, o presidente Erdogan admitiu reintroduzir a pena de morte para os 7 mil e 500 militares e civis revoltosos já detidos.

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.