sicnot

Perfil

Mundo

Urso polar vive em centro comercial na China ao serviço das selfies

Um urso polar vive num centro comercial em Guangzhou, na China, para que quem lá passe possa tirar selfies com o animal. Ativistas dos direitos dos animais estão a pedir aos clientes para boicotarem o centro comercial.

Uma petição online foi criada em março pela organização Animals Asia, a apelar à libertação do animal, que não está sozinho neste "zoo" improvisado. Um outro urso polar, seis baleias pequenas, cinco leões marinhos e um lobo vivem também no centro comercial, dentro de uma tração denominada GrandView Aquarium, criada para que os visitantes possam tirar selfies.

O GrandView Aquarium já foi mesmo classificado de “um dos zoos mais tristes do mundo”, sendo que os seus animais são negligenciados, sofrem de falta de estímulos e de luz natural.

O urso polar branco está no centro da controvérsia, depois de se terem tornado virais na Internet vídeos e fotografias do animal, de ar triste e cansado, com incessantes toques no vidro dados pelos visitantes para tirarem selfies.

"Não existem desculpas para um animal estar preso desta maneira. Os ursos polares precisam de muito espaço, o suficiente para que consigam andar, correr e caçar", declarou David Neale, diretor da associação Asia Animal Welfare, ao Mirror.

  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Jornalista bielorrusso come jornal após perder aposta

    Desporto

    Vyacheslav Fedorenko, editor de desporto de um importante jornal da Bielorrúsia, apostou que o Dinamo Minsk não chegaria aos play-offs da Kontinental Hockey League (KHL), uma liga internacional dominada por equipas russas. Perdeu e acabou a comer as próprias palavras, impressas em papel.