sicnot

Perfil

Mundo

Cúpula militar diz que soube do golpe de Estado na Turquia horas antes de ocorrer

O Estado-Maior das Forças Armadas turcas soube da iminência do golpe de Estado na tarde de sexta-feira, algumas horas antes de se produzir, indicou hoje em comunicado a cúpula militar da Turquia.

© Murad Sezer / Reuters

A nota, publicada no portal da internet da mais alta instância militar turca e citada pela agência Efe, refere que os serviços secretos do país, conhecidos pela sigla MIT, informaram o Estado-maior do golpe previsto pelas 16:00 horas locais, (13:00 TMG) de sexta-feira, 15 de julho.

O mesmo comunicado precisa que os chefes militares convocaram uma reunião do Estado-Maior e deram ordem para que nenhum tanque ou meio aéreo saísse das respetivas bases militares, ordem que foi desobedecida pelos golpistas.

Os primeiros testemunhos de civis sobre voos rasantes de casas em Ancara, primeiro sinal público do golpe, começaram pelas 22:00 locais, e, meia hora mais tarde, as televisões deram a notícia do bloqueio militar das pontes sobre o Bósforo em Istambul.

Os conspiradores, ao tomarem o quartel-general do Exército, tentaram forçar o chefe de Estado-Maior, general Hulusi Akar, a ler um comunicado perante uma câmara de televisão, ao que este se negou "de forma determinada", acrescenta-se na nota.

O texto define os golpistas como "um bando ilegal que se aninhou as forças armadas" e "assassinos com as mãos manchadas de sangue".

O Estado-Maior precisa que se trata de "membros do banco traidor terrorista FETÖ", um termo usado pelo Ministério Público turco no ano passado para descrever as redes de seguidores do imã turco Fethullah Güllen, exilado nos Estados Unidos.

Güllen negou já quaisquer implicações na tentativa de golpe.

De acordo com o comunicado, os golpistas foram derrotados definitivamente às 16:00 de sábado, dia 17 de julho, e o Governo recuperou o controlo de todas as unidades das forças armadas.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24