sicnot

Perfil

Mundo

Queen contra a utilização de "We are the champions" na convenção de Trump

A banda de rock Queen insurgiu-se hoje contra a utilização de uma das suas músicas mais conhecidas, "We are the champions", aquando da entrada de Donald Trump na convenção do Partido Republicano.

© Fabrizio Bensch / Reuters

Na sua conta do Twitter, a banda britânica denunciou a utilização da música como tendo sido feita contra a sua vontade, e afirmam que se trata de "uma utilização não autorizada" por parte dos organizadores da convenção do Partido Republicano.

Em junho, o guitarrista Brian May tinha já afirmado que os Queen "nunca autorizariam" a utilização das suas músicas, nem a Trump nem a outro político qualquer.

Os utilizadores das redes sociais foram rápidos a atacar Trump, fazendo piadas com a decisão de utilizar uma canção escrita por Freddie Mercury, um músico homossexual, que morreu devido a complicações ligadas à SIDA.

As piadas resultam do Partido Republicano defender os valores familiares e conservadores, opondo-se de forma determinante ao casamento homossexual e que em geral demonstra pouca consideração em relação à comunidade Lésbica, Gay, Bissexual e Transexual (LGBT).

"Se o vosso partido político tem tratado os gays como cidadãos de segunda categoria durante décadas, adivinhem? Não podem passar a música de Freddie Mercury nas vossas convenções", declarou o cantor Adam Lambert, que tem feito digressões com a banda e que não esconde a sua homossexualidade.

Os Queen não foram o único grupo ou artista a querer forçar o candidato a mudar a sua playlist. Adele, Rolling Stones, R.E.M e Neil Young já tinham exigido que Donald Trump deixasse de utilizar as suas músicas.

Com Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.