sicnot

Perfil

Mundo

Alemanha com dúvidas sobre nacionalidade do autor do ataque ao comboio

As autoridades alemãs têm dúvidas sobre a nacionalidade afegã do autor do ataque na segunda-feira com um machado, que parece ser paquistanês, disse hoje o ministro do Interior, Thomas de Maizière.

A Alemanha é alvo do "terrorismo internacional" e a "situação é grave", disse o ministro, salientando que o ataque de segunda-feira pode ser um caso na fronteira entre uma crise de loucura e de terrorismo.

O ataque de segunda-feira num comboio regional da Baviera provocou cinco feridos, entre os quais quatro turistas chineses de Hong Kong. O ataque foi perpetrado por um jovem de 17 anos que utilizou uma faca e um machado.

"Há indícios segundo os quais ele não será um afegão, mas um paquistanês, mas devemos deixar isso para a investigação", afirmou o ministro, em Berlim.

A análise ao vídeo divulgado pelo grupo extremista Estado Islâmico, em que é anunciado o ataque, o autor utiliza um dialeto falado no Paquistão e não no Afeganistão, segundo a imprensa alemã. O sotaque é do Paquistão, refere a imprensa.

Além disso, no vídeo é-lhe dado o nome de Muhammad Ryadh, sendo que o jovem foi registado na Alemanha com o nome de Riaz Khan Ahmadzai.

Segundo a imprensa alemã, como afegão, o jovem tinha mais probabilidade conseguir asilo na Alemanha.

O gabinete antiterrorismo alemão anunciou que abriu um inquérito para investigar um suspeito de "pertencer a uma organização terrorista" na sequência do ataque ser reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O Governo alemão considera que aquele grupo não patrocinou o ataque.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras