sicnot

Perfil

Mundo

Autarca turco anuncia "cemitério para traidores" que participaram no golpe de Estado

O presidente da câmara de Istambul, Kadir Topbas, anunciou hoje a criação de um "cemitério para traidores", para os que participaram no golpe de Estado na passada sexta-feira na Turquia.

Kadir Topbas assegurou que existe já um espaço para a criação deste cemitério, argumentando que nenhuma outra cidade vai aceitar os corpos dos golpistas mortos.

Segundo a agência estatal turca, Anadolu, no grupo dos golpistas morreram 24 soldados, 16 em Ancara e 8 em Istambul.

Entre os que se opuseram ao golpe houve 240 mortos e 1.535 feridos.

A Diyanet, que é equivalente ao Ministério de Assuntos Religiosos, anunciou que não serão oferecidos serviços funerários aos soldados que participaram voluntariamente no golpe.

As autoridades turcas já anunciaram que poderão reinstaurar a pena de morte, abolida em 2004 para aplicar aos responsáveis pelo golpe de estado, caso essa medida seja aprovada pelo parlamento.

Lusa

  • Fogo em Sabrosa entrou em fase de resolução

    País

    O incêndio que deflagrou terça-feira em Vilela do Douro, Sabrosa, distrito de Vila Real, entrou a meio da manhã de hoje em fase de resolução, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

  • Governo garante reforço das verbas para defesa da floresta até ao fim do ano
    2:37

    País

    O Governo rejeitou centenas de candidaturas com projetos para a prevenção de incêndios florestais, por falta de verbas. Perante a situação, o Bloco de Esquerda questionou o Ministério da Agricultura sobre as reprovações. Contudo, contactado pela SIC, o ministro Capoulas Santos garantiu que o programa de desenvolvimento rural está a ser reajustado e, até ao final do ano, está previsto o reforço de verbas.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.