sicnot

Perfil

Mundo

Autora de discurso de Melania Trump assume erro e pede demissão

A autora do discurso que Melania Trump fez na Convenção Republicana assumiu a responsabilidade pela polémica e apresentou a demissão mas o candidato presidencial recusou a sua saída.

"Pedi para publicar este comunicado porque não gosto de ver a forma como isto está a tirar atenção da histórica campanha de Trump e da bonita apresentação e mensagem de Melania", afirmou.

"Peço perdão pela confusão e histeria que o meu erro causou. Hoje, mais do que nunca, sinto-me agradecida por trabalhar com uma família como esta. Pessoalmente, admiro a forma como Trump geriu a situação e estou agradecida pela sua compreensão", concluiu.

Trump, que publicou o comunicado da escritora na sua página oficial na Internet, tinha reagido pouco antes pela primeira vez à polémica causada segunda-feira pelas semelhanças do discurso da sua mulher Melania com o de Michele Obama na Convenção Democrática de 2008, que nomeou Barack Obama como candidato do Partido Democrático à Casa Branca.

"Os 'media' passam mais tempo a fazer uma análise forense ao discurso de Melania do que o FBI passou com a correspondência de Hillary", disse o magnata na sua conta da rede social Twitter.

O FBI decidiu no início do mês terminar a investigação sobre o uso de servidores de correio eletrónico privados por parte de Hillary Clinton quando era secretária de Estado (2009-2013), algo com que os republicanos mostram estar contra numa convenção que tem como gritos de guerra "Prendam-na" e "Hillary para a prisão".

"É uma boa notícia que o discurso de Melania tenha tido mais publicidade que nenhum outro na história da política, especialmente se acreditas que toda a imprensa é boa imprensa", afirmou também Donald Trump no Twitter.

Com Lusa

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.