sicnot

Perfil

Mundo

Jornalista russo pró-ocidente morre em explosão de automóvel na Ucrânia

arquivo reuters

O jornalista russo Pavel Sheremet morreu hoje numa explosão do carro que conduzia, no centro de Kiev, na Ucrânia, informou o jornal online Ukrainska Pravda.

A explosão ocorreu por volta das 07:45 (05:45 em Lisboa), no cruzamento das ruas Bogdan Jmelnitski e Iván Frankó, minutos depois de o jornalista ter deixado a sua residência.

Sheremet, de 44 anos, nascido em Minsk, era um conhecido jornalista com uma destacada trajetória profissional na Bielorrússia e Rússia, e estava radicado em Kiev há cinco anos.

O automóvel em que se deslocava pertence à diretora do Ukrainska Pravda, Yelena Pritule, que não se encontrava a bordo do veículo no momento da explosão.

A polícia não avançou nenhuma versão sobre as possíveis causas da explosão.

Sheremet começou a sua carreira profissional no início dos anos 1990 na televisão bielorussa e em 1996 foi nomeado correspondente-chefe da Televisão Pública da Rússia em Minsk.

Crítico acérrimo do Presidente Bielorruso, Alexandr Lukashenko, em 1997 foi detido quando preparava uma reportagem sobre a situação na fronteira bielorusso-lituana e acusado de trabalhar ilegalmente como jornalista e de receber dinheiro dos serviços secretos estrangeiros.

Sheremet foi condenado então a dois anos de prisão pela Justiça bielorrussa, mas recuperou a liberdade após três meses de reclusão, graças às pressões da Rússia, escreve a agência noticiosa Efe.

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.