sicnot

Perfil

Mundo

Migração em massa da Europa do Leste beneficia economias dos países ricos

A migração em massa da Europa do Leste para os países ricos tem beneficiado as nações de acolhimento, mas impedido o crescimento económico dos Estados de origem, refere o Fundo Monetário Internacional (FMI) numa "nota de análise".

Segundo a nota do FMI, que não representa o ponto de vista oficial da instituição, desde o fim do colapso do comunismo, há quase um quarto de século, quase 20 milhões de pessoas deixaram o leste europeu - cerca de 5,5 por cento da população,

"O número significativo de emigrantes com mão-de-obra especializada veio beneficiar os principais países de destino na União Europeia e, por via disso a União Europeia como um todo", lê-se no documento.

"O fluxo de mão-de-obra nos países de origem tende para uma redução do PIB (Produto Interno Bruto) «per capita», cuja capacidade depende da idade e das competências do conjunto dos mirantes", acrescenta-se.

No estudo do FMI refere-se que em 2012, o PIB na Europa central e do sudeste europeu poderia ter crescido 07 pontos percentuais se não tivesse ocorrido a migração em massa entre 1995 e 2012.

O êxodo de mão-de-obra especializada "contribuiu para aumentar o fardo fiscal" do rácio entre as pessoas que trabalham e os que estão no desemprego, refere o "paper" do FMI, que alerta ainda para o facto de a partida de migrantes com alto grau de instrução pode atrasar o progresso e inovação das sociedades deixadas para trás.

O estudo indica também que, apesar de as remessas dos imigrantes poderem, até certo ponto, "mitigar os efeitos negativos da migração em massa", há o perigo de criar problemas de ética no trabalho dos que recebem o dinheiro do estrangeiro.

Na "nota de análise", o FMI refere que os reduzidos níveis do crescimento do PIB deverão manter-se se continuarem as previsões migratórias entre 2016 e 2030.

"As perdas cumulativas podem chegar aos 09%", alerta-se no documento, que adianta que os pequenos países do Báltico, bem como a Bulgária e a Roménia, podem atingir os valores mais altos.

No sentido contrário, refere-se na nota do FMI, poderão estar a República Checa, Hungria e Rússia, países que, curiosamente, também acolhem migrantes dos países da região.

O estudo sugere que os países que sofrem com a partida de migrantes devem tomar medidas para a travar e criar condições para atrair mão-de-obra especializada do estrangeiro.

Lusa

  • 5 mil erasmus escolhem Budapeste todos os anos
    5:18

    SIC Europa

    A Hungria recebe por ano cerca de 5 mil estudantes que escolhem Budapeste para fazer Erasmus. O nível de vida na cidade e a centralidade da Hungria que permite rápidas deslocações a outros países da Europa de Leste são alguns dos argumentos que cativam os universitários. Da Hungria saem também por ano cerca de 4 mil e 500 alunos para fazerem Erasmus noutros países da União Europeia.

  • Dirigentes do GD Ribeirão acusados de auxílio à emigração ilegal
    1:34

    Desporto

    Oito dirigentes do Grupo Desportivo de Ribeirão, um clube de Vila Nova de Famalicão que fechou as portas em 2015, foram acusados pelo Ministério Público.Em causa, estão suspeitas de auxílio à emigração ilegal ou falsificação de documentos, relacionadas com transferências de jogadores estrangeiros em situação ilegal.

  • O primeiro eclipse solar do ano
    0:57
  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16