sicnot

Perfil

Mundo

Três militares franceses mortos em missão na Líbia

Três militares franceses foram mortos na Líbia, indicou hoje o Ministério da Defesa francês, que confirmou, assim, pela primeira, vez a presença de soldados gauleses em território líbio.

© POOL New / Reuters

"O Ministro da Defesa, Jean-Yves Le Drian, lamenta a perda de três sub-oficiais que morreram em serviço na Líbia", indica o ministério num comunicado, em que não adianta mais pormenores sobre o incidente.

"(O ministro) saúda a coragem e o denodo desses militares ao serviço da França que cumprem, todos os dias, missões perigosas contra o terrorismo", acrescenta-se no documento.

Até hoje, a França apenas admitia que os seus aviões militares sobrevoavam a Líbia para recolher informações, nunca tendo confirmado a presença de forças especiais francesas, lembrou hoje o diário parisiense Le Monde.

Após a queda do regime de Muammar Kadhafi, em agosto de 2011, a Líbia está entregue a milícias armadas e minada por lutas pelo poder e por violência que têm favorecido o incremento dos jihadistas do grupo Daesh.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.