sicnot

Perfil

Mundo

Fronteira entre Venezuela e Colômbia permanecerá fechada este fim-de-semana

Uma criança e uma mulher venezuelana atravessam a ponte internacional Simón Bolíver depois de fazer compras do outro lado da fronteira devido à escassez de alimentos.

© Carlos Eduardo Ramirez / Reut

Os governos da Colômbia e da Venezuela acordaram não abrir no próximo fim-de-semana a fronteira entre os dois países, que permanece fechada desde há quase um ano por decisão do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou uma fonte oficial.

Como parte das medidas para a abertura definitiva da fronteira terrestre, foi decidido não abrir esta passagem, em ambos os sentidos, "pelas pontes internacionais Simón Bolívar e Francisco de Paula de Santander, ao norte de Santander, e José Antonio Páez, em Arauca", indicou o Ministério colombiano dos Negócios Estrangeiros num comunicado, citado pela agência Efe.

No passado dia 17 de julho, quase 130 mil venezuelanos passaram para a Colômbia, através de quatro fronteiras abertas temporariamente, para comprar alimentos, artigos de primeira necessidade e medicamentos.

No domingo anterior, de 10 de julho, outros 35 mil venezuelanos entraram no país com a mesma finalidade.

Nicolás Maduro decidiu no dia 19 de agosto do ano passado o encerramento da principal fronteira entre a Colômbia e a Venezuela, em resultado da sua estratégia para combater os movimentos paramilitares e o contrabando na região.

Perante os riscos de infraestrutura para as pontes e as dificuldades que podem resultar da chegada massiva de pessoas, "comprometemo-nos com as comunidades fronteiriças que em breve, em questão de dias, poderão passar as fronteiras em ambos os sentidos de forma mais segura", avançaram os serviços diplomáticos colombianos.

De acordo com as autoridades colombianas, os governos de ambos os países estão a trabalhar numa folha de itinerário há seis meses, com o objetivo de criarem uma fronteira "moderna e segura".

O projeto considera os fatores de "comércio, contrabando, educação, saúde, controlo migratório, controlo de câmbios, segurança, ação judicial, transporte e serviços fronteiriços" e permitirá, uma vez concluído o acordo, "a reabertura da fronteira de forma responsável e organizada", de acordo com o ministério dos Exteriores colombiano.


Lusa

  • As imagens do granizo que caiu no Algarve
    0:47

    País

    Faro acordou hoje com uma intensa queda de granizo. Pedras de gelo, com cerca de meio centímetro de diâmetro, em especial entre as 06:30 e as 07:00 da manhã. Segundo o IPMA tratou-se de "uma linha de instabilidade" que foi subindo a norte, para os distritos de Beja e Setúbal, mas com menos intensidade" e que provocaram inundações pontuais na via publica e em garagens e algumas quedas de árvore.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59