sicnot

Perfil

Mundo

Presidente turco instaura estado de emergência para "erradicar" opositores

Presidente turco instaura estado de emergência para "erradicar" opositores

O Presidente turco instaurou esta noite o estado de emergência com uma duração de três meses. Erdogan justifica a decisão com a necessidade de tomar medidas rápidas e eficazes. O objectivo é atacar o movimento inspirado no clérigo Fethullah Gulen, exilado nos Estados Unidos, e que Ancara considera ser um dos mentores da tentativa de golpe de estado.

"O nosso Conselho de Ministros decidiu instaurar o estado de emergência por um período de três meses", anunciou, em conferência de imprensa, o chefe de Estado.

O estado de emergência é necessário para "erradicar rapidamente todos os elementos da organização terrorista envolvidos na tentativa de golpe de Estado", afirmou.

A Turquia acusa o grupo do clérigo Fethullah Gulen de estar envolvido no golpe.

O país foi alvo de uma tentativa de golpe de Estado na sexta-feira à noite, mas o Presidente, Recep Erdogan, e Governo recuperaram o controlo do país no sábado.

O último balanço do governo turco aponta para 308 mortos entre revoltosos, civis e forças leais a Erdogan e mais de 1.400 feridos.

Segundo o Presidente, quase 11.000 pessoas foram detidas no âmbito do inquérito à tentativa de golpe de Estado.

Com Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".