sicnot

Perfil

Mundo

Bases militares norte-americanas ameaçadas pela subida do nível do mar

Grande parte das bases militares norte-americanas está localizada ao longo da costa Atlântica e do Golfo do México e nos próximos anos irá estar em maior perigo devido à subida do nível do mar resultante das alterações climáticas.

"Estamos no início de mudanças que irão ocorrer e afetar as instalações militares, algumas das quais já são inundadas durante marés muito altas", observou Erika Spanger-Siegfried, uma cientista da ONG "União dos Cientistas Preocupados (UCS).

Os especialistas da ONG, cujo relatório foi divulgado hoje, estudaram 18 instalações militares para avaliar o impacto das alterações climáticas, que têm intensificado a magnitude de furacões e das inundações costeiras.

"Em 2050, a maioria destas bases verá o número de inundações subir em mais de dez vezes em comparação com o de hoje", disse Kristy Dahl, cientista da UCS e coautora do relatório Os militares dos EUA na linha da frente da subida do nível do mar.

De acordo com as previsões, metade destas instalações podem vir a experienciar 270 inundações anuais, contra as dez de atualmente, de acordo com um cenários da subida dos oceanos. Em 2070, o número de inundações anuais pode aumentar para 520.

De acordo com os cientistas, furacões de categoria 1 (ventos de 117-153 km/h), poderão produzir ondas da mesma magnitude que furacões de categoria 2 produzem hoje, devido ao aumento do nível do mar.

De acordo com estudos recentes, o pior cenário de aumento do oceano tem-se tornado cada vez mais plausível com o derretimento acelerado do gelo ártico.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão