sicnot

Perfil

Mundo

Bélgica investiga 20 pedidos de asilo por alegada radicalização

Reuters

Um total de 20 pedidos de asilo chegados à Bélgica foram investigados desde março passad pelas autoridades, por alegada radicalização, informou hoje a imprensa local à agência EFE.

Os diários 'Sudpresse', 'De Morgen' e 'Het Laatste Nieuws' informaram hoje que alguns dos requerentes de asilo se encontram presos e que outros se encontram em centros de internamento ou em liberdade, mas sob supervisão policial.

Dos vinte perfis suspeitos e detetados mediante o reforçado sistema de investigação belga, oito são provenientes do Afeganistão, quatro do Iraque e três da Rússia, incluindo chechenos (provenientes de uma das repúblicas da Federação da Rússia, a Chechénia).

Entre aqueles que mostraram sinais de radicalização, estavam incluídos dois palestinos, um sírio, um kosovar e um chinês.

Nove dos vinte investigados eram homens que chegaram sozinhos à Bélgica, enquanto cinco destes eram menores que entraram no país sem qualquer acompanhamento por parte de um adulto.

As seis pessoas restantes faziam parte de uma família, que incluía um menor de idade.

Entre os alegados radicais não existiam mulheres.

"Os seus dossiers foram transmitidos ao Ministério Público e ao Comissariado-Geral de refugiados", explicou o secretário de Estado belga para a Migração, Theo Francken, ao jornal Sudpresse.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.